CartaExpressa

Audiência pública é uma chanchada realizada pelo ‘péssimo’ Queiroga, diz Gonzalo Vecina

A CartaCapital, o médico sanitarista e fundador da Anvisa reforça a importância de vacinar rapidamente as crianças contra a Covid

Foto: Vinicius Doti/Fundação FHC
Foto: Vinicius Doti/Fundação FHC
Apoie Siga-nos no

A audiência pública sobre a vacinação de crianças contra a Covid-19, promovida nesta terça-feira 4 pelo Ministério da Saúde, não passa de “um teatro, uma chanchada realizada por esse péssimo ministro, que consegue ser pior que o general [Eduardo Pazuello] que saiu de lá”. Essa é a avaliação de Gonzalo Vecina, médico sanitarista e fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

“Essa consulta pública, que se encerra com a audiência pública, é uma pantomima, uma representação teatral. 13 países, pelo menos, já estão vacinando as suas crianças”, afirmou Vecina em contato com CartaCapital. “As nossas crianças e os nossos jovens precisam ser protegidos como outros países estão fazendo”.

O especialista reforça que muitas crianças e jovens que sobrevivem à Covid-19 sofrem com a chamada “Covid longa”, ou seja, com os efeitos de longo prazo provocados pela doença. Assim, frisa Vecina, é preciso vacinar esse público, já que os imunizantes ampliam a proteção contra as manifestações graves do novo coronavírus.

A imunização de crianças e adolescentes de forma célere é ainda mais importante dada a proximidade do retorno das atividades letivas.

“É importante que a criança proteja seus parentes que estão em casa. Que, quando ela volte para casa, não leve a doença. Vacinação é a única coisa que podemos fazer de mais inteligente neste momento.”

O Ministério da Saúde fez esse teatro e o resultado vai ser vacinar, mesmo. Só o que aconteceu foi atrasar o início da vacinação. Tivemos hoje a oportunidade de ouvir alguns bons profissionais, outros péssimos, e acho que o comportamento mais adequado, com todo o respeito, foi o da Anvisa, de sequer participar. Eu também tomei essa decisão”, completa Vecina.

A Anvisa, que decidiu não participar da audiência, aprovou em 16 de dezembro a aplicação da vacina pediátrica da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos. A imunização, porém, não começou. Marcelo Queiroga afirmou na segunda-feira 2 que a vacinação infantil deve começar na 2ª quinzena de janeiro.

Leonardo Miazzo

Leonardo Miazzo
Editor do site de CartaCapital. Twitter: @leomiazzo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.