CartaExpressa

Atendente tem braço quebrado após pedir para cliente usar máscara

Atendente tem braço quebrado após pedir para cliente usar máscara

O agressor foi liberado na presença do advogado e não prestou depoimento ao delegado de plantão

Adriana Araújo da Silva teve que passar por uma cirurgia

Foto: Reprodução/TV TEM

Adriana Araújo da Silva teve que passar por uma cirurgia Foto: Reprodução/TV TEM

Adriana Araújo da Silva, atendente de uma padaria do munícipio de Palmares Paulista, em São Paulo, foi agredida e teve o braço quebrado após pedir para um cliente usar máscara ao entrar no estabelecimento. A informação é do G1.

A agressão ocorreu na sexta-feira 11 e Adriana teve que passar por uma cirurgia. O agressor, Márcio Roberto Rodrigues de 45 anos, foi liberado sem prestar depoimento ao delegado de plantão.

O agressor usava a máscara no queixo ao entrar na padaria e foi alertado pela vítima para que usasse o equipamento de proteção de forma correta.

Segundo contou Adriana, o homem então invadiu a área onde ela trabalha e a agrediu com uma rasteira e chutes no braço.

Ainda de acordo com o relato da vítima, após as primeiras agressões, ela conseguiu correr até outro estabelecimento, mas foi perseguida por Márcio que a agrediu novamente, dessa vez com uma joelhada no rosto.

Adriana foi levada ao hospital de Catanduva, cidade vizinha, e teve de passar por uma cirurgia no braço. Apenas no domingo 13, ela foi liberada.

Ao tentar conter o ataque, o dono da padaria também foi agredido pelo homem. Após o episódio, o agressor foi contido por moradores e levado pela Polícia Militar até um pronto-socorro, onde precisou ser medicado para ser acalmado pelos médicos. Levado à delegacia, o agressor foi liberado na presença do advogado e não prestou depoimento.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem