CartaExpressa

Assessor investigado por fraude em cartão de vacina da família Bolsonaro deixa prisão

Ele estava preso desde o início de maio, em razão da mesma operação que prendeu Mauro Cid, e será monitorado por tornozeleira eletrônica

Ex-segurança de Bolsonaro, Max Guilherme. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, determinou, na última quinta-feira 7, a soltura de Max Guilherme, assessor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). 

Ele estava preso desde o início de maio, tendo sido alvo da mesma operação que levou o tenente-coronel Mauro Cid à prisão. Pesa contra Max Guilherme a investigação sobre se ele teria participado do suposto esquema de fraude em cartões de vacina contra Covid-19 de Bolsonaro e de familiares do ex-presidente.

Alexandre de Moraes considerou que as diligências necessárias para o caso de Max Guilherme já foram cumpridas. Além disso, o ministro do STF acolheu o argumento de que, por ser pai de dois filhos autistas, Max Guilherme poderia estar em casa.

Apesar de ter sido solto, o assessor de Bolsonaro será monitorado por tornozeleira eletrônica.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar