CartaExpressa

Às vésperas de reunião com Biden, Bolsonaro volta a insinuar fraude na eleição americana

O ex-capitão se encontrará com o presidente dos EUA por meia hora na Cúpula das Américas

Jair Bolsonaro e Joe Biden. Fotos: AFP
Apoie Siga-nos no

A poucos dias de se reunir com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, Jair Bolsonaro (PL) voltou a insinuar fraude nas eleições americanas de 2020. Na ocasião, Biden derrotou Donald Trump, aliado do ex-capitão.

Como de praxe, Bolsonaro não forneceu evidências para sustentar as alegações de que o triunfo de Biden tenha sido ilegítimo. Em entrevista ao SBT News, recorreu apenas a supostos relatos.

“Quem diz é o povo americano. Eu não vou entrar em detalhes na soberania de outro país. Agora, o Trump estava muito bem. E muita coisa chegou para a gente que a gente fica com pé atrás”, disse o presidente brasileiro. “A gente não quer que aconteça isso no Brasil. Tem informações de próprios brasileiros que teve gente que votou mais de uma vez.”

Bolsonaro foi convencido na semana passada por um emissário de Biden a participar da Cúpula das Américas, em Los Angeles. O evento começou na segunda-feira 6 e segue até a próxima sexta. Os presidentes brasileiro e americano devem se reunir por meia hora nesta semana em um encontro bilateral.

Ao comentar a resistência inicial a participar da Cúpula, Bolsonaro afirmou nesta terça que não seria “moldura de retrato pra ninguém”. Também alegou ter mantido um “bom relacionamento com o governo anterior, de Donald Trump, e quando Joe Biden assumiu simplesmente congelou esse relacionamento”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar