CartaExpressa

Aras é acusado de proteger Bolsonaro e pode ser investigado por prevaricação

Aras é acusado de proteger Bolsonaro e pode ser investigado por prevaricação

Grupo de subprocuradores-gerais da República que já estão aposentados enviou pedido ao Conselho Superior do Ministério Público Federal

Augusto Aras e Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Augusto Aras e Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Um grupo de subprocuradores-gerais da República que já estão aposentados enviou ao Conselho Superior do Ministério Público Federal um pedido de investigação criminal contra o atual procurador-geral Augusto Aras.

No documento, eles citam suspeitas de prevaricação na conduta de Aras à frente da Procuradoria-Geral da República (PGR), com o objetivo de blindar o presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o jornal O Globo, a representação foi apresentada no último dia 9 de agosto e recebida pelo vice-presidente do Conselho Superior, o subprocurador-geral da República José Bonifácio Borges de Andrada.

Na sexta-feira 13, Bonifácio proferiu um despacho determinando o prosseguimento do caso, com o sorteio de um relator para a análise do pedido.

Ainda segundo o jornal, o ofício se baseia nas cobranças feitas a Aras pelos próprios ministros do Supremo Tribunal Federal em pedidos de investigações contra bolsonaristas.

“Eis os fatos claríssimos e bastantes. Indicam que o procurador-geral da República Antônio Augusto Brandão de Aras, por si próprio ou por intermédio de pessoa da sua mais estreita confiança, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, vem, sistematicamente, deixando de praticar ou retardando a prática de atos funcionais para favorecer a pessoa do presidente da República ou de pessoas que lhe estão no entorno”, escrevem na representação.

Assinam o documento, além de Cláudio Fonteles, os subprocuradores-gerais da República aposentados Wagner Gonçalves, Álvaro Augusto Ribeiro da Costa, Paulo de Tarso Braz Lucas e o desembargador federal aposentado Manoel Lauro Volkemer de Castilho.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem