CartaExpressa,Política

Aras diz que vai ‘tomar todas as providências’ sobre relatório da CPI da Covid

Aras diz que vai ‘tomar todas as providências’ sobre relatório da CPI da Covid

O documento, conforme adiantado neste domingo, deve denunciar Jair Bolsonaro por onze crimes, incluindo homicídio

O procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Evaristo Sá/AFP

O procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Evaristo Sá/AFP

O procurador-geral da República, Augusto Aras, garantiu que irá ‘tomar todas as providências’ sobre o relatório da CPI da Covid que deve ser votado pelos senadores dentro de poucos dias. A afirmação foi feita em entrevista ao programa Canal Livre, da Band, neste domingo 17.

Há a desconfiança por parte da cúpula de senadores da Comissão de Inquérito que o PGR engavete as denúncias feitas contra Jair Bolsonaro e seus aliados no relatório. A desconfiança se dá pela proximidade e alinhamento que Aras mantém com o atual presidente desde que foi levado ao cargo.

O documento, conforme adiantado neste domingo, deve denunciar Jair Bolsonaro por onze crimes, incluindo homicídio, e apontar outros delitos de integrantes do governo federal, como Walter Braga Netto, Onyx Lorenzoni e Marcelo Queiroga. Senadores cogitam inclusive levar as denúncias diretamente ao Supremo Tribunal Federal para minimizar as chances de uma blindagem.

Aras, no entanto, afirma que não será omisso. “Serão tomadas todas as providências”, disse. “Quem me conhece pode dizer que posso pecar por ação, não por omissão”, acrescentou o PGR.

O relatório que seria votado nesta semana no Senado teve o prazo de análise ampliado para que a cúpula da CPI acerte detalhes finais das denúncias contra Bolsonaro. O documento que terá mais de mil páginas será lido na quarta-feira 20 e a votação do texto será realizada apenas no dia 26.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem