CartaExpressa

Aras deve oficiar Guedes para obter mais informações sobre offshore

Aras deve oficiar Guedes para obter mais informações sobre offshore

A empresa Dreadnoughts, sediada nas Ilhas Britânicas, leva o nome de Paulo Guedes, da esposa e da filha

Aras deve oficiar Guedes para obter mais informações sobre offshore

O Procurador-Geral da República, Augusto Aras deve oficiar Paulo Guedes, para obter mais informações sobre um empresa offshore da qual o ministro da Economia é dono.

Guedes é dono da Dreadnoughts sediada nas Ilhas Britânicas e aparece em sociedade juntamente com a mulher, Maria Cristina Bolivar Drumond Guedes, e a filha, Paula Drumond Guedes.

Reortagens da série Pandora Papers, feita por veículos que fazem parte do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), apontou que a empresa continua ativa e pode ter recebido investimentos nos últimos dois anos.

Ter uma offshore ou conta bancária no exterior não é crime, desde que essas atividades sejam declaradas à Receita Federal e ao Banco Central. Mas, diferentemente de empresas registradas no Brasil, os dados referente às offshores não são públicos.

Em entrevista ao Poder360, um dos veículos brasileiros que integra a investigação, Aras disse que não faria ‘juízo de valor’ antes de uma investigação do caso, mas prometeu levar adiante uma ‘averiguação preliminar’.

“Trata-se de uma notícia que foi publicada pela imprensa. Com todo respeito à mídia, não podemos fazer investigações com base em notícias. O PGR fará, como de praxe, uma averiguação preliminar. Vamos ouvir algumas pessoas e requisitar documentos. Depois é que vamos fazer um juízo de valor se é necessário pedir a abertura de um inquérito no Supremo Tribunal Federal, que é o foro para quando há ministros de Estado citados”, afirmou Aras. “Mas tudo será dentro do devido processo legal. A 1ª pessoa a ser ouvida será o ministro Paulo Guedes, que será oficiado e poderá com tranquilidade enviar todos os esclarecimentos. Podemos também oficiar órgãos de controle. Mas não faremos nenhum juízo de valor antes disso.”

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem