CartaExpressa

Após protestos, Bolsonaro diz ser ‘imorrível, imbroxável, incomível’

Após protestos, Bolsonaro diz ser ‘imorrível, imbroxável, incomível’

Presidente não comentou diretamente atos contrários à sua gestão da pandemia e divulgou dados sobre vacinação

Presidente postou frase que já havia dito a apoiadores em outras ocasiões. Crédito: Reprodução/Instagram

Presidente postou frase que já havia dito a apoiadores em outras ocasiões. Crédito: Reprodução/Instagram

No dia em que milhares de brasileiros de diversas cidades foram às ruas protestar contra o governo federal, o presidente Jair Bolsonaro evitou comentar diretamente os atos em suas redes sociais e preferiu publicar dados sobre a vacinação contra a covid-19, exportação de mármore e projetos ferroviários. Sem citar os atos, postou uma foto nas redes sociais na qual aparece ao lado das palavras “imorrível, imbroxável, incomível” (sic).

A postagem faz referência a uma fala de Bolsonaro em situações anteriores. Em 17 de maio, um apoiador cearense que estava em frente ao Palácio do Planalto lhe perguntou sobre o seu estado de saúde. Ele então respondeu que era “imorrível, imbrochável, incomível” (sic). Anteriormente, em janeiro, ele já havia falado a apoiadores em Brasília que apesar de problemas para governar, era “imbrochável” e que “só papai do céu me tira daqui”, referindo-se à Presidência da República.

Os manifestantes que foram às ruas neste sábado, 29, criticam a gestão da pandemia pelo governo federal, além de pedir pela volta do auxílio emergencial de R$ 600, pela aceleração na vacinação em massa e pelo impeachment de Bolsonaro. Em São Paulo os manifestantes se concentraram na Avenida Paulista e desceram pela Rua da Consolação até o centro da cidade. No Rio, os protestos tomaram as principais vias do centro da cidade.

Em Recife, a manifestação terminou com tumulto e disparos de balas de borracha. A ação da PM ocorreu no final do ato político que ocorreu de maneira pacífica. O governador Paulo Câmara (PSB) disse que determinou a abertura de uma investigação sobre o ocorrido.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem