CartaExpressa,Política

Após ofensas, Eduardo Bolsonaro terá que pagar R$ 35 mil a jornalista

Após ofensas, Eduardo Bolsonaro terá que pagar R$ 35 mil a jornalista

Justiça negou recurso do deputado e manteve a condenação; valor da indenização por danos morais foi corrigido

Eduardo Bolsonaro e Patricia Campos Mello. Fotos: Agência Câmara e Reprodução

Eduardo Bolsonaro e Patricia Campos Mello. Fotos: Agência Câmara e Reprodução

A Justiça negou recurso e manteve a condenação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) por ofensas à jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S. Paulo. A decisão foi publicada na quarta-feira 22.

O parlamentar havia sido condenado em janeiro deste ano por ter replicado acusações falsas de que a jornalista teria se insinuado sexualmente para uma fonte em troca de informações.

A informação espalhada massivamente por Eduardo teve como base o depoimento de Hans River à CPMI das Fake News no Congresso, em que ele acusa a jornalista sem comprovar os fatos.

River atuou na empresa Yacows, responsável por registrar chips em nomes de idosos para realizar disparos de mensagens em massa durante a campanha presidencial em 2018. O caso foi revelado em reportagem assinada por Patrícia Campos Mello em dezembro de 2018.

Com a decisão que não deu provimento ao recurso, o valor da indenização por danos morais também foi corrigido, passando de 30 mil para 35 mil reais que deverão ser pagos pelo parlamentar à repórter. Ele terá ainda que arcar com as custas processuais e honorários advocatícios.

Além de Eduardo Bolsonaro, o empresário Luciano Hang, dono da Havan, também foi condenado em outro processo envolvendo o jornal paulista. Hang questionava reportagem que mostrou irregularidades na reabertura da Havan em meio a pandemia. A decisão contra o empresário ainda cabe recurso nos tribunais superiores.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem