CartaExpressa,Política

Após chamar Tebet de ‘descontrolada’, ministro da CGU pede desculpas ‘caso palavras tenham ofendido’

Após chamar Tebet de ‘descontrolada’, ministro da CGU pede desculpas ‘caso palavras tenham ofendido’

Simone Tebet e Wagner Rosário na CPI da Covid. Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Simone Tebet e Wagner Rosário na CPI da Covid. Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, usou as redes sociais nesta terça-feira 21 para publicar um pedido de “desculpas” por chamar a senadora Simone Tebet (MDB-MS) de “descontrolada”. O ataque se deu durante seu depoimento à CPI da Covid.

 

 

“Apesar de tê-lo feito pessoalmente, reitero meus pedidos de desculpas caso minhas palavras tenham lhe ofendido. Às vezes, no calor do embate, somos agressivos inconscientemente. Estendo minhas desculpas a todas mulheres que tenham se sentido ofendidas”, escreveu Rosário.

O ofensa de Rosário a Tebet ocorreu após a senadora criticar a atuação do ministro no âmbito do processo de compra da vacina Covaxin pelo governo de Jair Bolsonaro. Segundo ela, ao contrário de outros contratos relativos à pandemia, a controladoria não agiu preventivamente para barrar irregularidades.

“A senhora me chamou de engavetador, me chamou do que quis […], me chama de menino mimado, eu não lhe agredi. A senhora está totalmente descontrolada, me atacando”, disse Rosário.

O ataque de Rosário provocou um tumulto e a sessão foi interrompida pelo presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). Em seguida, a pedido de Aziz, o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), converteu o ministro da CGU em investigado.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem