CartaExpressa

Anvisa libera Coronavac para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos

A decisão veio acompanhada de um veto à aplicação da vacina em imunossuprimidos

A vacina Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Foto: CARL DE SOUZA/AFP
Apoie Siga-nos no

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária liberou por unanimidade, nesta quinta-feira 20, o uso da vacina Coronavac em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos.

A decisão veio acompanhada de um veto à aplicação do imunizante em imunossuprimidos, pessoas com baixa imunidade.

A vacina será aplicada em duas doses, com intervalo de 28 dias. Ao contrário do que ocorre com a Pfizer, a dose será a mesma aplicada nos adultos, ou seja, sem a versão pediátrica.

Não cabe à Anvisa estabelecer o início da vacinação, a distribuição de doses, o cronograma e a alteração de planos, medidas que dependem dos estados e do Ministério da Saúde.

Os cinco diretores da agência analisaram um pedido encaminhado pelo Instituto Butantan, que, originalmente, buscava licença para imunizar a faixa a partir de 3 anos. A Anvisa, no entanto, optou por aguardar até que mais estudos sejam apresentados sobre crianças abaixo dos 6 anos.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se posicionou em suas redes sociais após a decisão e disse que “todas as vacinas autorizadas pela Anvisa são consideradas para o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

“Aguardamos o inteiro da decisão e sua publicação no DOU”, acrescentou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.