CartaExpressa

Anvisa aprova, com restrições, importação e uso das vacinas Covaxin e Sputnik V

Anvisa aprova, com restrições, importação e uso das vacinas Covaxin e Sputnik V

A vacina Sputnik V. Foto: Pavel Korolyov/AFP

A vacina Sputnik V. Foto: Pavel Korolyov/AFP

A Anvisa aprovou na sexta-feira 4 a importação em quantidade determinadas e o uso em condições controladas das vacinas Covaxin e Sputnik V no Brasil. A decisão foi tomada durante a 9ª Reunião Extraordinária Pública da Diretoria Colegiada, que durou cerca de sete horas.

“Destaco que fica autorizada a importação excepcional e temporária do seguinte quantitativo, correspondente a doses para imunização de 1% da população nacional, dentro do cronograma enviado pelo Ministério da Saúde: 4 milhões de doses”, declarou o diretor da agência, Alex Machado Campos.

Em relação à Sputnik, as principais condições para sua compra são: importar somente de vacinas das fábricas inspecionadas pela Anvisa na Rússia (Generium e Pharmstandard UfaVita); obrigação de analisar lote a lote que comprove ausência de vírus replicantes e outras características de qualidade; notificar eventos adversos graves em até 24 horas.

Está autorizado que os seguintes estados tenham acesso às vacinas, observada a condição do equivalente a 1% da população nacional.

Bahia – 300 mil doses
Maranhão – 141 mil doses
Sergipe – 46 mil doses
Ceará – 183 mil doses
Pernambuco – 192 mil doses
Piauí – 66 mil doses

Já para a Covaxin ficou estipulada a importação excepcional de 4 milhões de doses. Após o uso dessa primeira quantidade, a Anvisa vai analisar os dados de monitoramento do uso da vacina e então poder analisar os próximos quantitativos a serem importados. Pelo menos 20 milhões de doses da vacina indiana são previstas em um acordo de aquisição com o governo federal.

Para sua importação, também estão previstas regras: todos os lotes destinados ao Brasil devem ter sido fabricados após as adequações de Boas Práticas de Fabricação (BPF) implementadas pela fabricante Bharat Biotech; apresentar certificado de potência para todos os lotes; Anvisa deve avaliar e entregar os dados referentes a dois meses de acompanhamento de segurança do estudo clínico de fase 3; liberar todos os lotes quanto aos aspectos de qualidade por análise laboratorial pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) da Fiocruz.

 

 

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem