CartaExpressa

Alunos são obrigados a assistir propaganda do governo para terem acesso à internet pública

Entre os temas exibidos estão o 13º salário do Bolsa Família e a instalação de sinal de wi-fi em escolas

Celular é principal meio de acesso à internet no Brasil. Foto: Bruno Fortuna/Fotos Públicas
Celular é principal meio de acesso à internet no Brasil. Foto: Bruno Fortuna/Fotos Públicas

Estudantes, professores e moradores de Santa Filomena, cidade do interior do Piauí, estão sendo obrigados a assistir publicidade do governo Jair Bolsonaro para terem acesso à internet pública fornecidas pelo programa Conecta Brasil, do Ministério das Comunicações. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo desta segunda-feira 27.

De acordo com a reportagem, o único aplicativo em que a propaganda do governo não é exibida é o WhatsApp. Para consultar o Google ou conectar em qualquer outra plataforma, como o app da Caixa Econômica Federal, por exemplo, há a exigência de ver as publicidades. O vídeo de 30 segundos precisa ser visto todas as vezes em que os aplicativos são abertos.

Entre os temas das propagandas exibidas estão o 13.º salário do Bolsa Família e a instalação de sinal de internet em escolas, conforme indicam as informações obtidas pelo jornal.

A instalação do sinal de wi-fi na cidade ocorreu em 20 de maio e contou com a presença de Fábio Faria, ministro das Comunicações, e de Carlos Bolsonaro, filho do presidente e vereador no Rio de Janeiro. Carlos é apontado como responsável pela comunicação do pai, incluindo a chefia do chamado Gabinete do Ódio, uma milícia digital que espalha fake news e promove ataques virtuais contra opositores do governo.

No evento, Faria elogiou a presença do vereador em seu discurso e disse que Carlos teria sido o responsável por eleger Jair Bolsonaro. O ministro disse ainda que a internet seria uma nova fonte de informações para combater as ‘notícias contra o presidente’.

O prefeito da cidade, Carlos Braga (Progressistas), afirma não saber da exigência.

“Eu estou sabendo agora. Não sabia desse vídeo. Não vi ninguém ainda relatando esse fato. Não vou aqui me arriscar a dizer que pontos de internet estão sendo utilizados para determinados fins político-eleitorais. É claro que nas redes a gente vê e ouve muita coisa”, afirmou o prefeito ao jornal.

O programa Conecta Brasil alcança 26 milhões de brasileiros ao custo total de 2,7 bilhões de reais, segundo estimativas do próprio Ministério das Comunicações. A exigência de visualização das publicidades do governo também foi registrada em outras regiões em que o sinal foi instalado.

Boa parte do montante gasto será alocada nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. As duas regiões atualmente são as que registram menor apoio a Jair Bolsonaro. No Nordeste, Lula tem historicamente ampla vantagem, no Norte, o ex-capitão venceu com a margem apertada em 2018.

Segundo o Ministério das Comunicações, “a veiculação de vídeos institucionais está prevista no projeto básico da implantação de pontos de acesso gratuito à internet em localidades públicas, pelo programa Wi-Fi Brasil” e é instrumento importante “de divulgação de mensagens de utilidade pública”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!