CartaExpressa

Alerj aprova projeto que flexibiliza o uso de máscara no Rio

O projeto segue para sanção ou veto do governador Cláudio Castro

Foto: NELSON ALMEIDA/AFP
Foto: NELSON ALMEIDA/AFP

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovou, nesta terça-feira 26, um projeto de lei que autoriza a flexibilização do uso de máscaras pelo governo do estado e pelas prefeituras. O projeto, de autoria do deputado André Ceciliano (PT), segue para sanção ou veto do governador Cláudio Castro.

Na prática, o PL altera a lei que definia a obrigatoriedade do uso de máscaras e previa penalidades por seu descumprimento em todo o estado, como multa de R$ 100 na primeira infração e valores dobrados em caso de reincidência. A normativa estava em vigor desde junho do ano passado.

Se o projeto for sancionado, estado e municípios terão autonomia para decidir sobre a obrigatoriedade do uso das máscaras. A proposta frisa que os critérios para a flexibilização deverão ser definidos pela Secretaria de Estado de Saúde, que deve levar em conta fatores como distanciamento social, ambiente aberto e fechado, percentual de vacinação da população, realização de eventos-teste, além de outros critérios científicos.

Na cidade do Rio de Janeiro, a desobrigação do equipamento de proteção estava prevista em ambientes fechados, com exceção do transporte público e de hospitais, quando a vacinação atingisse 75% da população; já a flexibilização ao ar livre estava prevista com 65% da população vacinada, marca que foi atingida nesta terça.

O prefeito Ricardo Paes autorizou no último dia 18 o a lotação máxima em locais como cinemas, teatros, museus, pontos turísticos, casas de festa e centros comerciais sem distanciamento social, apenas com máscaras. Já estádios e ginásios atualmente podem abrigar metade do público. A prefeitura também deve avançar com permissões a boates, danceterias e salões de dança, com metade da capacidade e exigência do comprovante de vacinação.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!