CartaExpressa,Política

Alcolumbre garante a colegas que nome de Mendonça será derrotado na CCJ e promete destravar sabatina

Alcolumbre garante a colegas que nome de Mendonça será derrotado na CCJ e promete destravar sabatina

Espera pela sabatina do ‘terrivelmente evangélico’ na CCJ já dura mais de 100 dias

O presidente da CCJ no Senado, Davi Alcolumbre. 

Foto: Marcelo Camargo

O presidente da CCJ no Senado, Davi Alcolumbre. Foto: Marcelo Camargo

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou a colegas do Parlamento que já tem votos suficientes para derrotar a indicação de André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal. A informação foi revelada pelo jornal Folha de S. Paulo neste sábado 23.

Segundo a reportagem, o recado de Alcolumbre foi repassado aos colegas de Senado nesta sexta-feira, quando o parlamentar disse ter convicção da derrota e prometeu marcar a sabatina de Mendonça até o dia 15 de novembro.

A espera pela sabatina de André Mendonça, o ‘terrivelmente evangélico’ indicado por Jair Bolsonaro ao STF, já dura mais de 100 dias. Essa é a primeira vez na história que uma indicação demora tanto tempo para ser analisada pelo Congresso.

Caso a afirmação de Alcolumbre se concretize e Mendonça seja derrotado, Bolsonaro terá que indicar outro nome ao cargo de ministro do Supremo. Nos bastidores, senadores do Centrão trabalham pelo nome do procurador-geral da República, Augusto Aras. O presidente, no entanto, garantiu que o substituto, caso seja necessário, também será ‘terrivelmente evangélico’.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem