CartaExpressa

Advogado ironiza Ciro e sugere ‘vaquinha’ para bancar psiquiatra: ‘Tem uma vilania esquizofrênica’

Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do Prerrogativas, rebateu uma declaração do pedetista sobre a violência política no Brasil

Marco Aurélio de Carvalho e Ciro Gomes. Fotos: Divulgação e Miguel Schincariol/AFP
Apoie Siga-nos no

O advogado Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do Grupo Prerrogativas, criticou o pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, por tentar responsabilizar parcialmente Lula (PT) por “acirrar os ânimos” e contribuir com a escalada da violência política no Brasil.

“Vamos iniciar uma campanha de arrecadação de recursos para pagar um psiquiatra a ele”, ironizou Carvalho em contato com CartaCapital. Segundo ele, Ciro “nunca precisou de um marqueteiro, mas de um psiquiatra”, por apresentar uma “vilania singular, esquizofrênica”.

Carvalho afirmou ainda que Ciro, por ter sido aliado e adversário do PT, poderia confirmar a “tolerância” e o “prestígio” com que o partido de Lula sempre disputou as eleições.

“Infelizmente, por interesses políticos e eleitorais, ele mais uma vez resolve, talvez atendendo a esses delírios persecutórios que tem, fazer uma fala leviana e mentirosa sobre o PT.”

Em live nas redes sociais na terça-feira 12, Ciro argumentou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) seria o grande responsável pela radicalização de apoiadores no Brasil, mas Lula ajudaria a “acirrar os ânimos”.

Alegou o pedetista: “Esse clima de radicalização violenta, de perseguição a adversários parte, principalmente, de Bolsonaro, mas não vou fechar os olhos à verdade e a verdade é que Lula e o PT têm dado uma boa dose de contribuição para acirrar os ânimos todo dia, para jogar o Brasil num clima de medo, violência e incerteza que não se via desde a ditadura militar.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.