CartaExpressa

Abraham Weintraub e Arthur se infectam por Covid-19 nos EUA: ‘Cepa bem agressiva’

Abraham Weintraub e Arthur se infectam por Covid-19 nos EUA: ‘Cepa bem agressiva’

Créditos: Reprodução

Créditos: Reprodução

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, gravou um vídeo ao lado de seu irmão Arthur Weintraub, ex-assessor especial da Presidência, na sexta-feira 4, para anunciarem a recuperação de quadros graves de Covid-19.

“A gente pegou Covid, uma cepa bem agressiva, não foi a normal, aparentemente foi essa nova e inclusive o Arthur, eu, as nossas esposas, inclusive as crianças pegaram”, disse o ex-ministro em vídeo gravado ao lado do irmão. “Eu e o Arthur fomos os casos mais graves pelo perfil da doença: homem adulto. Tivemos o pulmão comprometido”, declarou o ex-ministro da Educação.

Já Arthur disse que ambos pretendiam se vacinar no início de maio, mas não puderam por apresentar os sintomas da doença. “A gente está se recuperando ainda, não está 100%, mas a gente agradece todo mundo que ajudou”, disse, também fazendo menção às equipes médicas pelas quais foram atendidos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que há quatro cepas preocupantes por serem mais transmissíveis: britânica (B.1.1.7), sul-africana (B.1.351), brasileira (P.1) e indiana (B.1.617.2).

Atualmente, Abraham Weintraub é diretor-executivo do conselho do Banco Mundial; e Arthur, secretário de Segurança Multidimensional da Organização dos Estados Americanos (OEA). Arthur ainda faria parte de um possível ‘gabinete paralelo’ de aconselhamento do governo Bolsonaro.

Em vídeo vazado pelo site Metrópoles na sexta-feira 4, o virologista Paolo Zanotto revelou que Arthur Weintraub fazia interlocução entre os profissionais do aconselhamento paralelo e Bolsonaro. O papel de Arthur é discutido na CPI, que aprovou sua convocação.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem