CartaExpressa

A grande vantagem de Massa sobre Milei no 2º turno da Argentina, segundo nova pesquisa

No primeiro turno, o peronista teve pouco menos de 7 de pontos de frente sobre o ultradireitista

O deputado Javier Milei disputará o segundo turno presidencial com o candidato governista e atual ministro da Economia, Sergio Massa. Créditos: JUAN MABROMATA, Luis ROBAYO / AFP
Apoie Siga-nos no

Uma nova pesquisa de intenção de voto para a Presidência da Argentina indica uma significativa vantagem do peronista Sergio Massa sobre o ultradireitista Javier Milei. Os números foram divulgados pelo jornal Clarín nesta terça-feira 31, a menos de três semanas do segundo turno, marcado para 19 de novembro.

O Proyección, responsável pelo levantamento, foi um dos institutos mais precisos nas sondagens sobre o primeiro turno. Na ocasião, ao contrário de diversas pesquisas, Massa superou Milei e terminou em primeiro lugar.

Na rodada divulgada nesta terça, Massa aparece com 11,4 pontos de vantagem sobre Milei nas intenções de voto: 44,6% a 33,2%. Há também 8,3% de inecisos, 5,9% de votos nulos ou em branco e 7% que não pretendem votar.

O instituto entrevistou online 1.459 pessoas entre segunda e terça da semana passada, com uma margem de erro de 2,63 pontos percentuais.

No primeiro turno, a vantagem de Massa sobre Milei foi de pouco menos de 7 pontos: 36,68% a 29,98%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar