CartaExpressa

9 empresas devastadas pela Lava Jato fecharam mais de 200 mil empregos diretos

Segundo levantamento do Dieese, porém, a operação fez o Brasil perder ao todo 4,4 milhões de empregos

Sergio Moro e Deltan Dallagnol. Fotos: Antonio Cruz/Agência Brasil e Marcelo Camargo/Agência Brasil
Sergio Moro e Deltan Dallagnol. Fotos: Antonio Cruz/Agência Brasil e Marcelo Camargo/Agência Brasil

Empresas que estiveram na mira da Operação Lava Jato eliminaram 206,6 mil vagas diretas de emprego entre 2013 e 2020.

O registro leva em consideração a Petrobras e as construtoras Odebrecht, OAS, UTC, Queiroz Galvão, Andrade Gutierrez, Carioca Engenharia e Camargo Corrêa.

Trata-se de uma estimativa realizada pelo site Poder360. A Odebrecht é a companhia que apresenta os cortes mais drásticos, com o fechamento de 94% das vagas diretas: de 126 mil, em 2013, para 7.548, em 2020. Na UTC, eram 16.907 os trabalhadores contratados em 2013 e 1.559 no ano passado.

O número total de empregos diretos eliminados nos anos de Lava Jato, porém, é consideravelmente maior, já que nem todas as empresas que foram alvo da operação informam o número de funcionários demitidos.

De acordo com uma pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, a Lava Jato fez o Brasil perder 4,4 milhões de empregos e 172,2 bilhões de reais em investimentos. O setor mais atingido foi o da construção civil, que perdeu 1,1 milhão de postos de trabalho.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!