CartaCapital

Suíça confirma caso de varíola do macaco, subindo para 14 o número de nações que relatam doença

Organização Mundial da Saúde diz que outros 50 casos suspeitos estão sendo investigados

Foto: Johannes EISELE/AFP
Foto: Johannes EISELE/AFP
Apoie Siga-nos no

A Suíça confirmou o primeiro caso de varíola do macaco. Vários países europeus e os Estados Unidos também detectaram casos dessa doença endêmica na África Central e Ocidental. Com isso, sobe para 14 o número de países a confirmar pelo menos um caso da doença. Até agora, Reino Unido, França, Bélgica, Holanda, Alemanha (onde um dos infectados é um brasileiro), Itália, Suécia, Espanha, Portugal, Austrália, Estados Unidos, Canadá e Israel já têm registro.

A Organização Mundial da Saúde informou que outros 50 casos suspeitos estão sendo investigados, mas não cita os países envolvidos – e alertou que mais infecções provavelmente serão confirmadas. Questionado sobre o surto ao terminar uma visita à Coreia do Sul, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que todos devem se preocupar com o novo vírus. E acrescentou que os americanos já estão “trabalhando duro” para saber quais vacinas podem usar.

A varíola do macaco, ou “ortopoxvirosis simia”, é uma doença rara cujo patógeno pode ser transmitido do animal para o homem e vice-versa. Seus sintomas são semelhantes, em menor escala, aos observados no passado em pacientes de varíola.

Não existem tratamentos específicos ou vacinas contra a varíola do macaco, mas as crises podem ser contidas, explica a OMS. A doença geralmente se cura por conta própria, com sintomas que duram de 14 a 21 dias.

Até sexta-feira, cerca de 80 casos de varíola dos macacos foram confirmados no mundo. No entanto, segundo a OMS, esse número pode aumentar, pois outros 50 foram colocados sob investigação.

Na Alemanha, por exemplo, pelo menos dois casos de varíola dos macacos foram registrados em Berlim, anunciaram autoridades de saúde da capital alemã neste sábado, um dia depois que o país registrou seu primeiro caso em Munique, num paciente brasileiro.

O Ministério da Saúde da cidade de Berlim disse em comunicado que mais casos provavelmente surgirão nos próximos dias, acrescentando que os pacientes estão em condição estável e que o sequenciamento genético esclarecerá o tipo de cepa da doença.

A Noruega começou a procurar possíveis casos de varíola na capital Oslo, disse o Instituto de Saúde Pública (FHI) do país neste sábado.
“Um estrangeiro que visitou Oslo de 6 a 10 de maio, depois de voltar para casa, foi confirmado como infectado”, disse a FHI, sem especificar a nacionalidade da pessoa.

Agência O Globo

Agência O Globo
Agência de notícias e de fotojornalismo do Grupo Globo.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.