CartaCapital

Médico da Petrobras recomenda ivermectina e azitromicina a funcionários com Covid

Receita de médico da petroleira contém medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus; Petrobras nega orientação corporativa

Sede da estatal Petrobras. Foto: Agência Brasil FOTO: AGÊNCIA BRASIL
Sede da estatal Petrobras. Foto: Agência Brasil FOTO: AGÊNCIA BRASIL

O departamento médico da Petrobras recomendou medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19 a funcionários contaminados.

O caso ocorreu em Macaé, no interior do Rio de Janeiro. Em uma receita fornecida pelo serviço médico da estatal na cidade, aparecem listados os remédios azitromicina e ivermectina. A Federação Única dos Petroleiros e o Sindipetro dizem ter recebido outros relatos nesse sentido. O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense levou o caso ao Cremerj.

A FUP contabilizou mais de 80 mortes por Covid-19 na Petrobras. Segundo a organização, em apenas 2 meses e 10 dias, mais que dobrou o número de trabalhadores efetivos mortos pela doença na empresa, com 45 óbitos registrados nesta semana iniciada em 14 de junho — a atualização representa alta de 125% em relação às mortes registradas na semana de 5 de abril. Em 4 de janeiro de 2021, a Petrobras registrava apenas 3 falecimentos.

A Federação aponta 7.205 contaminados na Petrobras, 15,5% do quadro de efetivos da companhia (46.416). De acordo com o Painel Dinâmico de Casos de Covid-19 da Agência Nacional de Petróleo, entre março de 2020 e 15 de junho de 2021, pelo menos 5.944 trabalhadores foram infectados, sendo que 4.242 tiveram acesso a plataformas de petróleo.

Apesar dos índices preocupantes, a Petrobras vem descumprindo medidas de redução dos riscos, avalizadas pelo Ministério Público do Trabalho e pela Fundação Oswaldo Cruz. Entre os procedimentos, estão a manutenção de embarque de, no máximo, 14 dias; a garantia de testagem na metade do período do embarque; e a adoção de máscaras de qualidade para todos os trabalhadores.

“Os números crescentes e assustadores de mortos e contaminados refletem o descaso da gestão da empresa com a saúde do trabalhador e a ineficiência da política de prevenção à Covid-19 nas instalações da Petrobras”, diz o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar, em nota.

Receita médica publicada é citada em denúncia. Foto: Federação Única dos Petroleiros

Petrobras: prescrição é de responsabilidade do médico

Em nota, a Petrobras afirmou que “não há qualquer orientação corporativa quanto aos medicamentos a serem prescritos em caso de Covid-19, ou qualquer outra doença”. Segundo a estatal, a prescrição de medicamentos para qualquer enfermidade é de escolha e responsabilidade do profissional médico.

A empresa também diz que “empenha os esforços necessários para preservar a segurança e a saúde de todos” que “tem adotado medidas robustas de prevenção à Covid-19”, como fornecimento de diferentes tipos de máscaras, testagem antes de cada embarque e acompanhamento durante o embarque.

A companhia declara ainda que “os casos de contágio registrados seguem tendência semelhante às nacionais”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!