CartaCapital

assine e leia

Decifra-me ou te devoro

Mais importante que desmentir as fake news sobre a tragédia gaúcha é entender como está estruturado o ecossistema da desinformação

Imagem: iStockphoto
Apoie Siga-nos no

A tragédia climática que se abateu de modo avassalador sobre o Rio Grande do Sul, infelizmente, mostrou que o ecossistema de desinformação que se consolidou no Brasil a partir de 2018, com a eleição de Jair Bolsonaro, segue em pleno funcionamento e vigor. De novo, uma pandemia de fake news surpreende em meio a uma situação extrema.

Desde o começo de maio, quando a situação no estado se tornou muito grave, explodiram mentiras que confundiram as pessoas e dificultaram os trabalhos de orientação e socorro em relação às enchentes. As narrativas desinformativas vão da ineficiência do governo federal – com motes como “civil ajuda civil” e “o povo cuida do povo” – a multas por falta de notas fiscais de doações e proibição de entrada de remédios.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo