Bolsonaro anuncia desligamento de Roberto Alvim: “Pronunciamento infeliz”

Em pronunciamento nas redes sociais, o presidente declarou que a permanência do secretário de cultura se tornou insustentável

O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Isac Nóbrega/PR)

O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Isac Nóbrega/PR)

Política

O presidente Jair Bolsonaro anunciou o desligamento de Roberto Alvim da Secretaria de Cultura do Governo. A confirmação foi feita a partir de um post em seu perfil no Facebook. “Comunico o desligamento de Roberto Alvim da Secretaria de Cultura do Governo. Um pronunciamento infeliz, ainda que tenha de desculpado, tornou insustentável a sua permanência”, escreveu.

“Reitero nosso repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas. Manifestamos também nosso total e irrestrito apoio à comunidade judaica, da qual somos amigos e compartilhamos valores em comum”, emendou o presidente na publicação.



Durante transmissão ao vivo realizada na quinta-feira, 16, o presidente esteve ao lado de Alvim para anunciar iniciativas ao fomento à cultura voltadas para conservadores. Bolsonaro elogiou o secretário da cultura no início da transmissão: “Depois de décadas, agora temos um secretário de cultura de verdade, que atende o interesse da maioria da população brasileira, a população conservadora e cristã”.

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Thursday, January 16, 2020

Entenda o caso

O secretário da Cultura, Roberto Alvim, divulgou um vídeo nesta quinta-feira 16 anunciando o Prêmio Nacional das Artes, programa de incentivo à cultura do governo de Jair Bolsonaro. Mas o que chamou a atenção no vídeo foi que o secretário copiou trechos de discurso de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda na Alemanha Nazista.

“A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada”, afirmou Alvim no vídeo postado nas redes sociais.

“A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”, disse o ministro de cultura e comunicação de Hitler em um pronunciamento para diretores de teatro, segundo o livro “Goebbels: a Biography”, de Peter Longerich.

O discurso de Alvim veio acompanhado de um tom ameaçador junto de uma trilha sonora misteriosa. Atrás do secretário tinha uma foto de Jair Bolsonaro e ao seu lado uma bandeira do Brasil junto com uma cruz. Isso fez com que, nas redes sociais, as pessoas comparassem o vídeo com pronunciamentos nazistas e o nome de Goebbels se tornou um dos assuntos mais comentados desta madrugada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem