CartaCapital

Advogada de Flávio Bolsonaro confirma recebimento de relatório da Abin

O órgão da presidência da República produziu documentos de orientação para senador e seus defensores, diz revista

Senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Crédito: Pedro França/Agência Senado
Senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Crédito: Pedro França/Agência Senado

Uma das advogadas do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) confirmou à revista Época que recebeu um relatório produzido pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para ajudar o parlamentar no processo que investiga um esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

À publicação, Luciana Pires diz que o material continha sugestões do presidente do órgão, Alexandre Ramagem.

“Não fiz nada. Não vou fazer nada do que ele (Ramagem) está sugerindo. Vou fazer o quê? Não está no meu escopo. Tem coisa que eu não tenho controle”, afirmou a defensora..

A existência do relatório também foi divulgado pela revista no último dia 11. De acordo com a reportagem, a Abin produziu pelo menos dois relatórios de orientação para Flávio e seus advogados sobre o que deveria ser feito para obter os documentos que permitissem embasar um pedido de anulação do caso Queiroz.

“Todo o material que ele (Ramagem) passou para a Abin foi eu que passei. (…) Eu mandei pronto para ele. Ele não descobriu nada. Inclusive, isso foi pauta na reunião”, disse Luciana.

A reunião citada pela advogada aconteceu em agosto entre o presidente Jair Bolsonaro, os advogados de Flávio e o presidente da Abin. O relatório foi um resultado do encontro no Palácio do Planalto.

Em resposta a uma determinação da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF) na terça-feira 15, Ramagem admitiu que houve uma reunião com a defesa do parlamentar em agosto, mas disse que o encontro não teve desdobramentos práticos.

A PGR apura a ação. 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!