Menstruação e o sexo entre mulheres

Experimente se libertar e desfrutar dos benefícios de todas as fases do seu ciclo

Foto: Maria Korneeva/ Istock

Foto: Maria Korneeva/ Istock

Saúde LGBT+

Ao longo de um mês, uma mulher tem um período de menstruação. Algumas podem sangrar 3, 5, 8 ou 10 dias por mês, respeitando suas peculiaridades. Duas mulheres em um relacionamento tem, portanto, dois períodos menstruais. E diferente do que diz a lenda urbana: não, esses dias não vão sempre coincidir.

 

 

A menstruação é um processo natural. Somos cíclicas e podemos aproveitar muito os períodos se conseguirmos nos conhecer.

De todas as fases do ciclo menstrual, a menstruação costuma ser a mais deixada de lado, por ser um tabu e haver pouco espaço para falarmos dela abertamente, sem receios ou constrangimentos.

O ciclo se inicia no primeiro dia do fluxo. Ele traz consigo uma elevação hormonal, renovação e para algumas pessoas, disposição.

Se seguirmos a lógica de que sexo menstruada é impróprio, um casal de lésbicas precisaria ficar por até 20 dias no mês sem ter relações sexuais? Estaríamos respeitando algo imposto, e não a verdade em nossos corpos.

 

Por que a menstruação ainda é vista como tabu?

 

Partimos de uma visão machista heteronormativa, que há séculos vê o corpo da mulher neste período como algo impuro e intocável. E que, ainda hoje, deturpa a verdade sobre a menstruação.

Neste ideário, o sangue é nojento – e as mulheres precisam escondê-lo. Essa crença é enraizada ainda no início da adolescência, quando morremos de vergonha da nossa primeira menstruação, e acaba por se perpetuar durante nossa vida sexual.

Mas nos relacionando com mulheres, o que há de errado em saber que mulheres menstruam? Em conviver com a normalidade e saúde dos nossos corpos? Em estarmos abertas para transar, inclusive? Sabendo que ser lésbica é o ato mais antimachista que podemos exercer, vale a pena pensar na desconstrução desses paradigmas, a ideia de que o sangramento nos impede de ser e fazer o que quisermos.

Refletir sobre a forma que esse pensamento é imposto e de onde vem, nos levará, muito provavelmente, a contestá-lo na sua essência. E que a conclusão, portanto, seja a liberdade. De ser e fazer o que quiser, quando quiser.

A ideia desse texto, mais uma vez, é libertar as mulheres das caixinhas, dos tabus que nos instituíram como verdade absoluta. Vale a pena tentar e testar. Será que você gosta de transar menstruada?

Na fase menstrual, a maioria das mulheres se enquadra em duas categorias: ou totalmente disposta ou nem sequer pensa em sexo. O modo como você se sente em relação à sua menstruação, pode afetar seu desejo. Para algumas pessoas, a lubrificação extra e o potencial do orgasmo em reduzir as cólicas podem ser um estímulo. Do outro lado, fadiga, dor, náusea e o próprio sangue podem tornar insuportável a ideia de transar nesse período.

Para quem  nota um aumento na libido, aqui vão algumas dicas :

– Encare o sangue como um fluido orgânico do corpo. Como a lubrificação, por exemplo.

– Sexo no banho ou em fases que o fluxo seja menos intenso podem ser uma boa forma de experimentar e se adaptar.

– O coletor menstrual ou absorvente interno podem tornar o sexo oral super possível.

– Após o orgasmo, haverá um aumento do fluxo devido às contrações uterinas. Mas isso não mudará seu ciclo para sempre – é momentâneo, mas pode até diminuir o ciclo em até 1 dia.

Agora, é muito importante saber: uma vez em contato com o sangue, aumentamos a chance de exposição e contaminação por ISTs. Portanto, lembre-se de usar algum método de barreira e lavar os sex toys em caso de troca entre parceiras, principalmente neste período.

Experimente se libertar e desfrutar dos benefícios de todas as fases do seu ciclo. Te garanto, é um caminho de autonomia e auto-respeito sem volta!

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Médica Ginecologista e Obstetra, formada pela Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina, Coordenadora médica do Coletivo Nascer (Grupo transdisciplinar de assistência humanizada à gestação, parto e puerpério em São Paulo-SP)

Compartilhar postagem