Sexo e drogas: o que é preciso saber sobre os perigos do chemsex

Quando se fala em drogas, não existe dose segura. Por isso é importante saber lidar com os riscos

Sexo e drogas: o que é preciso saber sobre os perigos do chemsex. Foto: DPLight/ Istock

Sexo e drogas: o que é preciso saber sobre os perigos do chemsex. Foto: DPLight/ Istock

Saúde LGBT+

Continuamos a falar sobre uso de substâncias psicoativas durante o sexo, chamado também de sexo químico ou, em inglês, chemsex.

 

Em textos anteriores, falei sobre o que é o chemsex, seus riscos e as razões pelas quais ele é tão popular entre homens gays e bissexuais. Sabendo dessa popularidade, é fundamental falar sobre diminuir os riscos dessa prática.

Quando se fala em drogas, não existe dose segura — sempre há riscos. Mas as pessoas usam drogas, não adianta negar essa realidade. Por isso é tão importante explicar quais são esses perigos e as estratégias para diminuí-los.

Falarei de medidas gerais de redução de danos indicadas a adeptos do chemsex.

Para informações mais detalhadas, indico as cartilhas do Projeto ResPire, do Centro de Convivência É de Lei. Esse é um projeto muito legal, que visa à promoção da saúde a partir de divulgação de informações e riscos sobre o uso de drogas.

Também usei informações contidas em alguns trabalhos científicos, além da minha prática clínica no consultório e no hospital.

  • Parece bobo, mas não é. Estude a substância: doses adequadas, tempo de ação, riscos à saúde, efeitos. Isso vai te ajudar entender melhor quais são as possíveis complicações.
  • Na hora do sexo, o cuidado pode passar batido. Por isso, pense em tudo antecipadamente: proteção, PrEP, preservativos, lubrificantes… Consulte-se regularmente com um infectologista para discutir estratégias de prevenção, exames e tratamentos.
  • Não aceite drogas de estranhos. Nem mesmo álcool. Têm sido comuns casos de pessoas dopadas (o famoso “Boa Noite, Cinderela”) que terminam roubadas, agredidas e/ou estupradas. 
  • Evite injetáveis. Aplicação intravenosa oferece muito mais riscos que o consumo pela boca ou pelo nariz. Jamais compartilhe seringas ou agulhas.
  • Evite misturar. Uso combinado de drogas estimulantes (como cocaína, ecstasy, poppers e GHB), drogas depressoras (como álcool, ketamina, calmantes) e medicamentos para disfunção erétil aumenta os riscos de intoxicação e de paradas cardiorrespiratórias, podendo levar à morte.
  • Em caso de desmaio ou perda a consciência, ponha a vítima de lado, pois ela pode se afogar com o vômito. Chame o socorro médico imediatamente.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Psiquiatra formado pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. É também psicanalista de orientação lacaniana e atua como psiquiatra voluntário no projeto da Casa 1.

Compartilhar postagem