A realidade de ser médico, preto e gay no Brasil

O racismo é um problema criado pelas pessoas brancas. Não é obrigação da comunidade negra prestar contas de soluções para esse problema

Sr. Fred Nicacio. Foto: reprodução.

Sr. Fred Nicacio. Foto: reprodução.

Diversidade,Saúde LGBT+

Muitos me perguntam como é o meu dia a dia de atendimentos no SUS. Há uma curiosidade muito grande das pessoas em saberem se eu já passei por algum ato racista durante a minha caminhada na medicina. E a resposta é: ainda passo.

Meu dia a dia não é, na teoria, muito diferente de qualquer outro médico brasileiro atuante na saúde pública. Exceto pelo fato de eu ser (na esmagadora maioria das vezes) o único preto do rolê. Sou confundido com qualquer outro funcionário do hospital, mas de cara – e pela cor da cara – nunca confundido com um médico. Não que ser confundido com outro profissional seja um problema pra mim, mas isso fala mais sobre o outro do que sobre mim. Isso é reflexo de como é difícil enxergar um homem preto como chefe de equipe.

Comportamentos racistas estão entranhados dentro da medicina, e acontecem o tempo todo. Está também entranhado na população mais simples e desprivilegiada. Esses que recebem o legado do racismo estrutural e o repetem sem ter consciência do que estão fazendo. Quando por exemplo fazem cara de espanto quando entram no consultório e dão de cara comigo. Alguns até voltam e olham na porta do consultório pra ver se não entraram no lugar errado.

Certa vez, em um atendimento no SUS, uma paciente branca entrou no meu consultório e fez uma cara de espanto ao me ver. Dei bom dia e permiti que se sentasse. Perguntei sobre o motivo da consulta, e ela relutante disse que queria falar com o médico. Isso ocorreu mesmo eu estando de jaleco escrito Dr. Fred Nicácio – Médico e com estetoscópio no pescoço – instrumento “simbólico” da medicina.

Afirmei que eu era o médico que a atenderia, ela então começou a me fazer diversas perguntas técnicas com palavras rebuscadas, na intenção de testar meus conhecimentos e ver se eu realmente era médico ou me fazia passar por um. Ao final da consulta, ela pegou a sua ficha com meu carimbo e assinatura e se dirigiu ao posto de enfermagem. Nesta hora, a paciente perguntou as enfermeiras: “ Aquele homem negro lá dentro do consultório, é mesmo o médico?” As enfermeiras confirmaram que sim. Mas mesmo assim, ela se negou a medicação intra-hospitalar e foi embora apenas com a receita para comprar os remédios na farmácia.

Pois é… Essa é a realidade de ser médico preto no Brasil.

E você, quantas vezes já foi atendido por alguém como eu? Por um médico negro. E que outra explicação, senão o racismo, para sua resposta ser “poucas” ou “nenhuma”?

Esse assunto parece estar batido e de certa forma cansativo, não é mesmo? Mas cansativo mesmo é ter que passar uma vida inteira sobrevivendo a olhares e piadas. E isso só se agrava quando se é gay, como é o meu caso. Ser gay no meu trabalho – hoje – não é uma questão problemática, mas para muitos ainda é. Quando por exemplo, encontram dificuldade de ingressar em áreas de especializações repletas de atitudes homofóbicas, misóginas e machistas. Foi um problema pra mim durante um período na faculdade, onde me sentia sempre deslocado dos grupos de meninos. Isso na verdade foi uma repetição do meu ensino fundamental e médio. Eu sempre era mais acolhido pelas meninas.

Até que me entendi como um homem gay, – e esse processo foi muito mais doloroso do que poderia ter sido – e passei a mudar as minhas relações comigo mesmo e consequentemente com as pessoas a minha volta.

 

Assim como eu me questionei a gerar mudanças que fossem sólidas sobre meu comportamento diante da minha sexualidade, eu te convido a chegarmos a uma conclusão sobre o racismo estrutural no Brasil. E essa certamente não será a solução para os seus dilemas, mas sem duvidas poderá ser o início de uma desconstrução diária. Isso se dará a partir do momento em que você se perguntar: “ Como eu sou racista?” . Quais atitudes automáticas eu tenho no meu comportamento diário que são geradas pelo racismo estrutural?

Cotas e políticas públicas já existem, já são direitos conquistados, já é lei. Precisamos que a sociedade entenda que não basta não ser racista, é necessário ser anti-racista.

O racismo é um problema criado pelas pessoas brancas. Não é obrigação da comunidade negra prestar contas de soluções para esse problema. Nós trazemos à tona assuntos que são de interesse da sociedade, então a sociedade precisa trazer uma resposta.

Dessa forma, estabelecendo novos canais de diálogo e abrindo espaços para que outras vozes sejam ouvidas, teremos uma construção para além dos nossos achismos, e enriqueceremos juntos nossa sociedade. Só assim um médico preto não será mais um espanto dentro do nosso sistema de saúde.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Médico formado pela UNIG Campus V, pós graduando em cirurgia dermatológica e estética pelo Instituto BWS. Atua como emergencista no SUS.

Compartilhar postagem