Unidade da Resistência Palestina contra a anexação sionista

A visão palestina que traça a estratégia de luta se baseia em criar uma liderança e buscar apoio internacional

Manifestante palestino. Foto: Mohammed Asad / Monitor do Oriente Médio

Manifestante palestino. Foto: Mohammed Asad / Monitor do Oriente Médio

Diálogos da Fé

Apesar dos inumeráveis protestos, o primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu tem planos de aplicar em Julho a anexação de 30% da Cisjordânia ocupada após a guerra dos seis dias em 1967.

Os colonos israelenses recrudesceram os atos de vandalismo e covardia contra os palestinos, assassinando milhares de pessoas, levando as prisões insalubres, destruindo plantações, demolindo casas e inventando mentiras e fraudes históricas, para implementar o plano de anexar mais terras palestinas.

O MNLP (Al Fatah) e o HAMAS, fizeram um acordo de unidade para enfrentar o inimigo Israel e seus panos de anexar a Cisjordânia ocupada com a ajuda dos EUA.

O Iran e a Síria apoiaram e ofereceram ajuda às lideranças da resistência palestina reunidas para discutir um plano de resistência e luta contra a anexação.

A visão palestina que traça a estratégia de luta se baseia em criar uma liderança integrada a um programa independente de resistência popular e buscar o apoio internacional a causa do povo palestino.

 

Israel conta com o apoio, político e econômico do Imperialismo americano para anexar mais terras Palestinas, porém vários países e organizações democráticas do mundo tem expressado apoio ao povo Palestino e veem como mais um criminoso devaneio da ganância sionista por usurpar terras palestinas.

O Povo Palestino teria por alternativa segundo alguns analistas, declarar um estado soberano já que o plano de anexação acaba com a proposta de ter dois Estados.

Israel quer expulsar os palestinos de suas terras ancestrais mas os palestinos não estão dispostos a se renderem pois esta é realmente é uma batalha pelo direito de existir e a resistência tem conseguido se reunir e traçar um plano para derrotar a entidade sionista.

Israel vê com muita frustração a possibilidade de grupos palestinos de resistência finalmente se unirem para enfrentar os golpes de Israel e Estados Unidos.

O Hamas pediu este sábado a adoção de uma estratégia integral para derrotar o plano de anexação até a liberação de todo território palestino baseado em 3 pontos:

  1. Unidade nacional palestina
  2. Resistencia generalizada em todas as formas e também a resistência militar armada
  3. Estabelecer uma forte coalisão islâmica na região contra o acordo do século

O Hamas disse que essa batalha será uma batalha pela existência.

O povo palestino não aceitara uma autonomia limitada e controlada dentro de uma pátria cativa, sem abrigo nem lar para seus filhos e nem para tantos refugiados que querem voltar para suas vilas e que tiveram suas casas demolidas por tratores americanos Bulldoser, pilotados por soldados israelenses.

O Movimento de resistência do Líbano, Hisbolá, que expulsou as tropas israelenses do sul do Líbano em 2006, diz que Israel não sobrevive sem o apoio dos EUA.

Israel esta prestes a sofrer mais uma derrota após ver frustrado seu “plano do século”, verá a resistência palestina se unir em um grande movimento popular de massas que irá sacudir como uma terceira intifada o fim do regime sionista.

Tudo depende da força da Unidade das organizações populares e do apoio e solidariedade internacional.

A resistência se levanta, cresce e se agigantará em uma aliança internacional de solidariedade.

Que se reavivem os comitês de solidariedade ao povo palestino no mundo todo com programas e campanhas unificadas e brigadas internacionais solidárias para alimentar de solidariedade a luta do heroico povo palestino.

Com esta estratégia o Povo Palestino poderá vencer inevitavelmente seu inimigo histórico e estabelecer a justiça e a paz que tanto merece.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Historiadora pela PUC São Paulo. Professora da rede pública de ensino. Foi professora de história islâmica da Universidade Islâmica do Brasil (UNISB) em 2002. Escreve neste espaço às terças-feiras.

Compartilhar postagem