Diálogos da Fé

Blog dedicado à discussão de assuntos do momento sob a ótica de diferentes crenças e religiões

Diálogos da Fé

Salat, a oração no islã

Orações têm versículos do Alcorão, mas as súplicas podem ser feitas na língua de cada um

Os ataques ao islam, segundo pesquisa da Associação Francesa de Vítimas do Terrorismo, batem todos os recordes
Os ataques ao islam, segundo pesquisa da Associação Francesa de Vítimas do Terrorismo, batem todos os recordes
Apoie Siga-nos no

Salat é o nome que se dá às cinco orações diárias, obrigatórias, que são um elo direto entre o criador e as criaturas. Não é condição para o salat que haja uma autoridade hierárquica, como um padre por exemplo.

As orações coletivas podem ser guiadas por uma pessoa que conheça o Alcorão e escolhida pela comunidade. O muçulmano também pode realizar sozinho suas orações diárias no intimo de sua privacidade.

Estas orações têm versículos do Alcorão que são recitadas em árabe, mas as suplicas pessoais que se fazem ao fim das orações ou na intenção dela podem ser feitas na língua de cada um.

As orações são precedidas de uma intenção onde o muçulmano intenciona rezar por este ou aquele motivo e ele pronuncia isso em voz baixa. Depois vem a ablução ou wudu, que consiste em lavar e purificar partes do corpo e se preparar para a oração.

Leia também:
Ashura, o martírio do imã Hussain
Eid al-Adha, a festa do sacrifício

Em lugares onde não há agua, se usa o Tayamum ou a ablução seca, feita com areia ou batendo as mãos em uma parede.

Mas há algumas coisas que invalidam a ablução: caso a pessoa precise ir ao banheiro para urinar ou defecar, ou gases, ou caso ela vomite, ou desmaie, ou durma antes de rezar, a ablução deve ser feita novamente. As mulheres, quando menstruam, estão dispensadas de fazer a oração.

A ablução é feita com agua pura e há condições para seu uso: a água deve ser lícita e não pode ser contaminada, usurpada ou roubada, por exemplo. Também não se pode usar maquiagem ou esmalte durante o salat, pois isso invalida a purificação.

As mulheres devem rezar em um lugar no andar de cima da mesquita, que é destinado a elas, ou um metro atrás dos homens. Isso porque elas devem se prostrar sem constrangimentos de que alguém as observe, garantindo liberdade a elas, que devem estar cobertas dos pés à cabeça, com o hijab, deixando a mostra apenas o rosto e as mãos.

As cinco orações são praticadas nos seguintes tempos:

 Alvorada (salat Fajr)

 Meio-dia, depois do ponto máximo do sol (salat Zhur)

 No meio da tarde (salat Asr)

Pôr do sol (salat Magreb)

Noite (salat Isha)

A prática também consiste em um ciclo de posições: em pé, curvado, de joelhos, prostrado e sentado. As posições se chamam hakats e sukuts ou genuflexões e prostrações. O número de hakats e sukuts  varia conforme o horário das orações obrigatórias.

Fajr duas genuflexões

Zuhur – quatro

Asr quatro

Magreb – três

Isha quatro

Além das orações obrigatórias, também se pode fazer orações ou salats quando o devoto sentir necessidade. Caso ele perca o horário das obrigatórias, deve repô-las depois.

Também por necessidade, caso não tenha tempo de fazer o salat Magreb, o muçulmano poderá algumas vezes unir o salat Magreb, do pôr do sol e logo em seguida fazer o salat noturno para facilitar assim a vida e cumprir com as orações.

A oração coletiva, das sextas-feiras ou o salat Jumuat, é obrigatória para os homens e facultativa para as mulheres e é realizada na mesquita com a comunidade islâmica a partir do horário do zuhr.

O líder religioso da mesquita profere um discurso ou kutub (sermão) que toca em pontos relativos aos problemas e ansiedades da comunidade islâmica. Antigamente, a direção em que os muçulmanos voltavam suas frontes para rezar era Jerusalém, mas durante a vida do Profeta foi mudada para Meca.

A figura do muazin

É a pessoa encarregada de chamar em voz alta, de cima dos minaretes (torre da mesquita) ou então dentro da mesquita, para congregar os muçulmanos as orações. Nos países islâmicos, a voz dos muazin ecoa pelas cidades chamando os muçulmanos a adoração a Alá. O primeiro muazin foi Bilal.

O chamado diz:

Alá é o maior, Alá é o maior

Testemunho que não há divindade além de Alá (2 vezes)

Testemunho que Mohammad é mensageiro de Alá (2 vezes)

Vinde para a oração (2 vezes)

Vinde para a Salvação (2 vezes)

Alá é o maior, Alá é o maior

Não há divindade em de Alá

Também há salats especiais para ocasiões onde há fenômenos naturais, como um eclipse, ou terremoto, por exemplo, onde o sheik faz uma oração especial pela comunidade.

Além da mesquita, o muçulmano pode rezar em qualquer lugar possível quando atingir o horário de suas orações. Pode rezar na rua, no escritório, no campo, em casa, na fábrica, na universidade. Os muçulmanos rezam em qualquer lugar que esteja limpo e que se possa realizar suas orações.

Em geral observa-se a direção de Meca com uma bússola ou observação do sol e se estende um tapete. Os xiitas usam uma pedra de argila de karballah ou madeira para repousar a fronte.

Há também uma infinidade de súplicas que os fiéis fazem voluntariamente para pedir a ajuda divina em seus problemas cotidianos. Uma das mais tocantes é a súplica do Kumail do imã Ali, que é feita às quintas-feiras entre a comunidade. A oração traz tranquilidade e força espiritual aos corações contemplados na lembrança de Alá.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.