“Mutirão pela Vida: por Terra, Teto e Trabalho”

Este será o tema da 6ª Semana Social Brasileira, organizada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

"Mutirão pela Vida – por Terra, Teto e Trabalho” será o tema da 6ª Semana Social Brasileira. Foto: Portal CNBB

Blogs,Diálogos da Fé

Semana Social Brasileira. O que é? Para que serve? Quando e como acontece? As Semanas Sociais fazem parte da ação evangelizadora da Igreja em diversos países como Itália e França, sempre articulando as forças populares e intelectuais com o intuito de debater questões de ordem sócio-políticas relevantes e traçar perspectivas para o país com base na Doutrina Social da Igreja.

No Brasil, as Semanas Sociais começaram a ser realizadas na década de 1990, como resultado de um valioso processo de mobilização popular ocorrido nas décadas de 1970-80, que trouxe como resultado o surgimento e fortalecimento das Pastorais Sociais, que, em conjunto com inúmeros movimentos e organizações sociais, deram início ao debate sobre a construção de um projeto popular para o país.

No contexto das Semanas Sociais Brasileira sua história, motivações e resultados, cinco preocupações as nortearam: diagnosticar a realidade sócio-política e econômica do país; mobilizar amplamente todas as forças vivas -eclesiais ou não-, da sociedade; tomar posições em relação a determinados compromissos concretos em âmbito global; o real e afetivo protagonismo de leigos e leigas; e o caráter propositivo dos debates.

Entre 1991 e 2013, cinco Semanas Sociais foram realizadas no Brasil sobre os seguintes temas:

  • 1991: “Mundo do Trabalho, desafios e perspectivas”
  • 1994: “Brasil, alternativas e protagonistas”
  • 1997-1999: “Resgate das Dívidas Sociais – justiça e solidariedade na construção de uma sociedade democrática”
  • 2004-2006: “Mutirão por um novo Brasil – Articulação das forças sociais para a construção do Brasil que queremos”
  • 2013: “Um novo Estado, caminho para nova sociedade do Bem Viver”

E agora, envoltos por uma realidade sócio-política avassaladora pela qual passa o Brasil, a Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotransformadora, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), lançou nas redes sociais os perfis da 6ª Semana Social Brasileira.

A iniciativa é uma forma encontrada pela CNBB, para iniciar a mobilização nacional do Mutirão pela Vida: por Terra, Teto e Trabalho”, tema central da 6ª Semana, inspirado a partir dos três “T” gestados durante o 1º Encontro Mundial dos Movimentos Populares com o Papa Francisco em outubro de 2014, em Roma. No seu discurso, Francisco fez a convocação: “Digamos juntos, de coração: nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos, nenhuma pessoa sem a dignidade que o trabalho dá”.

Alessandra Miranda, secretária executiva da 6ª Semana Social Brasileira, explica as motivações para início das mobilizações nas redes sociais: “O lançamento e os diálogos que serão possibilitados por meio das redes sociais é muito importante para mobilizar o que estamos chamando de Mutirão pela Vida, tendo em vista que esse período de pandemia de covid-19 nos convoca ao distanciamento social, mas também nos convida a perceber como essa realidade pode gerar muitas formas de solidariedade. Então, lançar e atualizar as redes sociais da 6ª SSB é uma maneira de fortalecer o que já está sendo feito no campo da solidariedade. É também a possibilidade de alcançar cada pessoa e convidá-la para esse processo. Assim cada um, cada uma, já pode entrar nesse mutirão e se perceber na vivência da 6ª SSB, especialmente nesse cenário de pandemia”.

Importante destacar, que o contexto para motivar a realização da 6ª Semana Social Brasileira, tem aspectos da realidade social, econômica e política do Brasil, que desafiam a sociedade brasileira a dialogar, aprender, avaliar, questionar, sugerir soluções, participar dos processos que definem o futuro do país e, sobretudo, fortalecer as formas de organização popular na luta por direitos essenciais amplamente negligenciados. “A questão da moradia, do teto, está na reflexão central da Semana Social Brasileira porque, em primeiro lugar, é um problema fundamental na sociedade brasileira. Não seremos autenticamente democráticos se não tivermos esse direito garantido a todos e todas”, afirma Dom José Reginaldo Adrietta, bispo da diocese de Jales e membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotransformadora.

O tema central traz ainda como destaques as reflexões sobre o acesso à terra e ao trabalho digno. “Trazer novamente o tema da terra para a Semana Social Brasileira (SSB), a produção de alimentos saudáveis, a conservação do meio ambiente, traduz a ideia que a gente tem para a construção dessa nação brasileira”, acentua Ana Moraes, da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).  “Quando nós afirmamos que um aspecto estruturante do tema central é o trabalho, estamos propondo a reflexão a respeito das condições de vida das trabalhadoras e trabalhadores no Brasil”, completa a economista, educadora popular, integrante da Coordenação América Latina e Caribe da Rede Jubileu Sul, Sandra Quintela.

A 6ª SSB é uma iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotransformadora, com o envolvimento ativo das pastorais sociais da Igreja Católica, dos movimentos populares do campo e da cidade, de organizações da sociedade civil, igrejas cristãs, povos indígenas e comunidades tradicionais. “Em sintonia com o papa Francisco que nos convida a ir até as periferias existenciais e geográficas, que nos convoca para sermos uma Igreja em saída, a CNBB também convoca todas as pessoas para a 6ª Semana Social Brasileira (6ª SSB), o grande mutirão pela vida”, afirma o bispo da diocese de Pesqueira (PE) e membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotransformadora,  dom José Luiz Ferreira.

O Mutirão é o caminho metodológico da 6ª SSB, portanto, uma forma de convocar todos os cidadãos e cidadãs do Brasil ao engajamento concreto pela superação das desigualdades sociais existentes no país. Para alcançar esse objetivo a iniciativa terá como eixos transversais: a economia, a democracia e a soberania.  A 6ª SSB traz também a inspiração do discurso do papa Francisco no 2º Encontro Mundial dos Movimentos Populares, em 2015, na Bolívia, quando afirmou: “A solução para os grandes problemas do mundo virá dos pequenos, dos excluídos, pois estes se movem com outra lógica de vida”.

Por certo, tratar-se-á de uma oportunidade ímpar de reflexão diante do cenário nacional e mundial, da qual poderão surgir propostas transformadoras para as mazelas impostas à sociedade como um todo, em que pese as dores e sofrimentos vivenciadas cotidianamente pelos menos favorecidos.

Em sintonia total com Papa Francisco, a CNBB, seguindo sua essência, conclama a todos e todas para uma união em torno do bem-estar do povo brasileiro à luz do Evangelho de Cristo. Somente com uma sociedade mais humana e igualitária onde teto, terra e trabalho sejam tratados como direitos inalienáveis de todos, homens e mulheres poderão viver em paz e harmonia consigo mesmo, com o próximo e com a natureza. Afinal, Cristo veio para que todos tenham vida e a tenham em abundância. (Jo 10,10).

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Pároco da Paróquia São Francisco de Assis de Ermelino Matarazzo, Diocese de São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo-SP. Importante liderança dos Movimentos e Pastorais Sociais da região, atua nas mais diversas áreas em defesa de Políticas Públicas que atendam efetivamente às necessidades da população.

É licenciado em Filosofia e bacharelando em Teologia. Escritor, agente de pastoral, assessor de movimentos sociais, gestor da Rede de Escolas de Cidadania de São Paulo.

Compartilhar postagem