Blogs

Abusos espirituais nos corpos materiais: a Igreja e a sexualidade

A sexualidade continua um tabu, uma curiosidade escondida, suja e sujeita às muitas perversões que se verificam nos dias de hoje

A imprensa nacional e internacional tem noticiado de forma constante nos últimos meses a questão da pedofilia e outros abusos sexuais do clero católico em muitos países do mundo e também na América Latina. A resposta a estes crimes tem sido punir os culpados de diferentes maneiras, tornando-os objeto público de desprezo e ódio, levando-os a tribunais civis e julgamentos religiosos. E os abusos denunciados não são apenas de crianças e adolescentes, mas de jovens religiosas, de jovens funcionárias das igrejas, de estudantes e outros.

As reações condenatórias são grandes, sobretudo dos pais e mães dos alunos das escolas católicas. Temerosos de que seus filhos possam ser vítimas desses homens perigosos, agem através dos meios de comunicação criando um ambiente de insegurança em relação à educação dada nas escolas confessionais. Pedem mais controle e rigidez dos educadores sem, no entanto, rever suas próprias posições em relação à sexualidade familiar, aos valores que passam para sua prole, a seu comprometimento nos conteúdos religiosos e sociais ensinados às crianças e jovens. Agem denunciando as instituições como se as escolas ou as igrejas fossem os únicos lugares onde os comportamentos sexuais nefastos se reproduzem. Não analisam de forma crítica as relações sociais e familiares em relação à vivência da sexualidade e sua própria responsabilidade. Criminalizar é uma resposta, mas uma resposta imediata que não toca as raízes do problema.

Fico me perguntando por que em tempos politicamente tão difíceis surge à tona a questão dos abusos sexuais feitos por aqueles que em princípio ofereceram seus corpos a serviço do Espírito. Sabemos bem que esses abusos não são apenas de hoje. Há como uma velha compulsão, sobretudo masculina, a deixar-se dominar pelo ‘instinto sexual’ e com isso dominar corpos que lhes são aparentemente submissos. Esse domínio, expressão de outras formas de dominação pessoal e social, tem reaparecido no momento em que não só a política e a economia, mas também as diferentes religiões, vêm atravessando uma significativa crise de sentidos. Na mesma linha, não poucos políticos, cineastas, artistas e escritores da atualidade foram acusados de ‘predadores de menores’, de ‘monstros morais’, o que atesta que a problemática é mais ampla do que as instituições da religião. Transgredir limites parece ser uma constante dos seres limitados que somos! E o que fazer?

No caso particular do Cristianismo, é preciso lembrar que há comportamentos e conteúdos teológicos que fazem da repressão à sexualidade quase uma virtude heroica em vista do seguimento de Jesus e, portanto, uma atitude aplaudida por Deus. Aliás, é muitas vezes nessa linha que se interpretou o mito do Gênesis em relação à expulsão de Adão e Eva do paraíso e outros textos bíblicos.

O dualismo representado pela constante luta entre o corpo e o espírito, o espírito afirmado como superior ao corpo e convidado a vencer as armadilhas corpóreas caracterizou a formação dos cristãos em geral e do clero em particular. Uma visão dualista da vida e em especial dos seres humanos marcou a vida cristã de forma a criar um temor ao corpo e às suas necessidades. Por isso, muitas formas de sacrifício corpóreo foram bem-vindas e muitas formas de promessa de felicidade para além dessa vida foram pregadas como para valorizar consolações e prêmios espirituais para os que se mantivessem firmes na luta do espírito contra o corpo.

Uma educação repressiva, uma fé cheia de dogmatismos onde nenhum questionamento é possível, uma hierarquia masculina no topo das instituições orientando e dominando corpos segue presente, embora de forma diversa em relação ao passado. Rever essas posições, rever os fundamentos da atitude negativa em relação à sexualidade, parece não estar na agenda das Igrejas e particularmente da católica. A sexualidade continua um tabu, uma curiosidade escondida, suja e sujeita às muitas perversões que se verificam nos dias de hoje. A renúncia a vivê-la na diversidade de suas expressões continua sendo uma exigência que o alto clero impõe na teoria a si mesmo e aos outros. E não só a eles, mas à multidão de adeptos que se tornam muitas vezes mais sectários que o clero. Por isso, as condenações, os julgamentos e nossa ira emocional, embora compreensíveis, são insuficientes para as mudanças necessárias.

 

Um clero abusador de crianças, jovens e mulheres é sinal de que a maneira como se lida com a sexualidade humana e se lhe atribui regulação divina merece uma transformação urgente. E isto não está sendo feito porque de alguma forma exigiria a revisão das leis canônicas e a assídua construção de novos sentidos para a teologia cristã. Isto exigiria também a reorganização do poder religioso em que os ‘príncipes’ que governam seriam depostos em favor de comunidades que decidiriam sobre sua vida.

Por que há tanta fixação na sexualidade? Por que temê-la mais do que outras relações próprias dos seres vivos?

O exercício ativo da sexualidade sob a inspiração de algumas ideias do apóstolo Paulo foi considerado, especialmente a partir do concílio de Trento, um caminho de menor perfeição, um caminho em que se cede à fraqueza dos instintos e se distancia de Deus, puro Espírito. Por isso, livrar-se dos desejos sexuais, da atração sedutora dos corpos através de sacrifícios ascéticos foi parte importante da formação dada ao clero. Eles são os representantes de Deus ‘puro Espírito’, de seu filho Jesus igualmente Deus, nascido sem pecado original e sem ‘desejos sexuais’. Entretanto, a tentação de provar do ‘fruto proibido’ continua presente nos corpos e, eles inebriados de desejo, furtivamente o provam e afirmam publicamente na sua repulsiva retórica não o terem provado. Violam corpos, cometem crimes, criam instituições e transformam seus desejos físicos em ‘suspiros do espírito’ para favorecer a iniciação dos jovens corpos às delícias sombrias que promovem. E tudo isso tem o preço do silêncio das vítimas para que sua doação seja acolhida por Deus Pai todo poderoso que sustenta a liderança dos ‘promotores’ do espírito.

Mesmo sabendo das contradições que nos habitam, é tempo de mudar e sair da hipocrisia e da ignorância que nos caracteriza. É tempo de afirmar novas compreensões da sexualidade humana, de bendizê-la como força vital cujas expressões não podem ser controladas repressivamente, mas educadas no respeito a si e aos outros. É tempo de mudar crenças, teologias, liturgias e governos. É tempo de compreender novamente quem é o ser humano! Nessa linha, a responsabilidade não pode ser apenas do clero, mas de todas e todos que aderem a uma religião ou a uma igreja. Eles e elas devem ser críticos dos conteúdos, dos comportamentos e propostas para que a democracia de expressões e conteúdos seja construída no interior das instituições religiosas. Apenas condenar não leva a uma mudança real. Acalma as tensões do momento, dá impressão de que a justiça será feita, mas de fato dificilmente constrói novos caminhos éticos e novas interpretações para os dias de hoje.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!