A Revolta dos Malês: a história não contada

Apesar da derrota, a Revolta dos Malês influenciou muitas lutas contra a escravidão

Parte dos escravos era muçulmana

Parte dos escravos era muçulmana

Blogs,Diálogos da Fé

“Surge em 25 de janeiro um novo sol de esperança. Vindos de mãe África distante, ostentada em toda fidalguia, eles estavam em Salvador, Bahia.” Assim, o Grêmio Recreativo e Cultural Escola de Samba Mocidade Alegre pedia passagem no Carnaval de 1979 e sacudia a Avenida Tiradentes com o refrão: “ô ô ô ô Alauacabá, Alauacabá ô ô ô ô!” A expressão árabe Allahu Akbar, que significa algo como “Deus é grande”, fazia alusão aos negros muçulmanos que lideraram a Revolta dos Malês no ano de 1835.

Antes do advento da Lei 10.639/2003, só mesmo as escolas de samba exaltavam os feitos e rebeliões do povo negro. Embora tão importantes na constituição histórica do Brasil, foram quase que completamente ignorados nos registros oficiais. A Revolta dos Malês, duramente reprimida pela elite branca dominante, é um grande exemplo da bravura dos escravizados na luta pela liberdade.

Ressaltou-se por muito tempo a predominância de negros islamizados entre os mentores do levante. Porém, além de africanos muçulmanos, havia também negros de origem haussá, mahi e nagô, fundamentais na organização dos primeiros terreiros de candomblé. O temor que se espalhara desde a Revolta dos Búzios, à sombra da Independência do Haiti e da Revolução Francesa, tornou a repressão contra os escravizados ainda mais cruel. Nos terreiros, já se usavam as datas do calendário católico para escamotear o culto aos orixás, uma vez que os senhores estariam ocupados com sua devoção. Era também o momento mais propício para as insurgências.

A perseguição religiosa era um dos motes da revolução, que surgiu com o ideal de libertação do povo negro e o objetivo de matar os opressores brancos e quem mais se colocasse contra, especialmente os traidores. Mais da metade da população de Salvador na época era composta por negros, mas os malês tinham um importante diferencial: sabiam ler e escrever em árabe. Entre os insurgentes estavam muitos negros de ganho, que circulavam pela cidade, levando informações e vendendo seus produtos. Muitos deles, com sua renda, puderam comprar a alforria e adquirir armas.

Do Recôncavo Baiano, de onde os primeiros calundus reorganizavam os negros em torno do culto aos orixás e ancestrais, veio boa parte do contingente de revoltosos para Salvador. O líder Ahuma havia sido preso e torturado, assim como o Alufá Pacífico Licutan. Essas agressões foram o motivo para executar os planos da rebelião.

Antes mesmo da revolta tomar corpo, uma denúncia frustrou os objetivos dos malês. Pistolas, espadas, lanças e facões não foram suficientes, mas apesar da desorganização e do contingente baixo, seguiram os negros na luta e tomaram a cidade. Foram massacrados. Os sobreviventes foram condenados à morte, submetidos aos mais desumanos castigos ou deportados para a África. “E na hora da razão, foguetes, alvorada e traição. Da revolta nada resta mais, derrota foi a outra solução”, cantava a Mocidade naquele glorioso Carnaval.

Depois disso, a repressão aos escravizados, sobretudo os de origem malê ou nagô, passou a ser ainda mais dura. Sucessivos levantes, envolvendo diversas etnias, já vinham acontecendo desde o início daquele século e mesmo no anterior. Apesar da derrota, a Revolta dos Malês influenciou muitas lutas contra a escravidão.

Luiza Mahin fez de sua casa um verdadeiro quartel general durante muitas rebeliões, em especial a Revolta dos Malês

Nesse sentido, uma liderança se destaca. Luiza Mahin fez de sua casa um verdadeiro quartel general durante muitas rebeliões, em especial a Revolta dos Malês. Tendo escapado da punição, essa grande guerreira, uma mulher de origem jeje, talvez uma princesa do antigo Dahomé, mãe do escritor e abolicionista Luís Gama, seguiu em missão revolucionária até ser presa no Rio de Janeiro e, segundo alguns historiadores, deportada para a África.

“Num lamento triste e solitário, negro pedia a Alá, seu protetor, força e coragem nessa hora que a vitória seria em seu louvor.” Assim saía aclamada da avenida a Mocidade Alegre. Num Carnaval revolucionário, clamava a liberdade do povo negro e do povo brasileiro em plena ditadura militar. O regime, que também perseguiu as escolas de samba, nem se deu conta da metáfora.

Os malês ficaram conhecidos como os negros letrados, fluentes na língua árabe, estrategistas e combativos. Talvez a grande intelectualidade da época, já que boa parte dos senhores mal sabia escrever o próprio nome. A dura repressão, as restrições, o degredo deram fim à rebelião, mas não à rebeldia. Nos “anos de chumbo”, a morte nos porões, a tortura, o exílio cravaram a mesma luta de sempre por liberdade, bem como por igualdade de oportunidades e direitos.

Os negros seguiram e seguem em suas insurgências, desafiando os poderes instituídos nos folguedos carnavalescos e nas epistemologias preservadas nos territórios de resistência, que fazem a grande revolução decolonial dos nossos tempos. Descendentes de nagôs, mahis e haussás, somos a continuidade dessa luta. Cada um com sua arma, negros e negras ainda cantarão a glória da Revolta dos Malês e contarão a verdade que a História tanto insiste em esconder.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Pai Rodney de Oxóssi é antropólogo, escritor e babalorixá. Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP. Há mais de 20 anos pesquisa relações raciais, racismo e religiões de matriz africana. É sacerdote do Ilê Obá Ketu Axé Omi Nlá. Escreve neste espaço às sextas-feiras.

Compartilhar postagem