Economia

Crescimento

A ilusão da retomada econômica pós-impeachment

por Emilio Chernavsky e Rafael Dubeux* — publicado 21/03/2017 14h13
O discurso de empresários e as previsões de economistas indicavam uma recuperação imediata após a saída de Dilma Rousseff. Tudo mentira?
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Votação do impeachment

Os distintos parlamentares sabiam muito bem o que faziam

[Este é o blog do Brasil Debate em CartaCapital. Aqui você acessa o site completo]

“(O efeito nos investimentos) seria instantâneo. Bastaria uma troca da sinalização”. Assim respondia em março de 2016 Flávio Rocha, presidente da rede varejista Riachuelo, à pergunta sobre qual seria a reação dos empresários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff do poder. Longe de ser exceção, expressões de tamanho otimismo nos meios de comunicação em relação à mudança de governo eram comuns no primeiro semestre do ano passado. E não se referiam apenas aos investimentos, mas à atividade econômica como um todo.

Nesse sentido, “se Dilma sair, PIB dobra” era o título de uma breve nota então publicada por um conhecido sítio jornalístico abertamente a favor do impeachment.

Tal otimismo se refletia não apenas em entrevistas e notas na mídia, mas nas previsões sobre a evolução da economia elaboradas regularmente por analistas profissionais, inclusive naquelas coletadas pelo Banco Central entre instituições do mercado financeiro. De fato, como mostra a seta à esquerda no seguinte gráfico, a mediana dessas previsões para o crescimento do PIB em 2017 mais que quadriplicou nos meses que se seguiram à aprovação do impeachment na Câmara.

Como mostra a seta à direita, entretanto, desde o fim de outubro essas previsões voltaram a se deteriorar, até atingir no fim do ano níveis semelhantes aos verificados pouco antes daquela aprovação. Claramente, o grande otimismo não mais existia. Nem poderia existir diante da divulgação de alguns indicadores fundamentais da economia no segundo semestre, inteiramente sob a condução do novo governo.

A despeito do otimismo presente em declarações como as acima citadas, esses indicadores mostravam que os investimentos no País, ao invés de voltarem a subir “instantaneamente”, continuaram a cair.

O PIB não somente não parou de diminuir como acelerou o ritmo de queda. Certamente, em algum momento futuro alguma recuperação se verificará, mas as previsões otimistas para o pós-impeachment têm se mostrado não mais que ilusões.

*Emilio Chernavsky é doutor em Economia pela USP

  Rafael Dubeux é doutor em Relações Internacionais pela UnB