Augusto Diniz | Música brasileira

Jornalista há 25 anos, Augusto Diniz foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Augusto Diniz | Música brasileira

Projeto une tradição de coral Guarani com sonoridade contemporânea

Aldeia capixaba grava sua ancestralidade com inserções sonoras percussivas, de concerto e de eletrônica

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O projeto fonográfico tem o nome de Originários do Agora – Música Ancestral Contemporânea. O trabalho recém-lançado traz músicas inéditas do Coral Kuara’y Retxakã, da aldeia guarani Tekoá Mirim, no município de Aracruz, no Espírito Santo. 

São sete canções ancestrais gravadas com sonoridade contemporânea e inserções percussivas, como do handpan, instrumento musical circular, parecendo uma panela redonda grande, tocado com as mãos que produz som metálico. Há no álbum inserção também de músicas de concerto, com quarteto de violoncelos, fagote e trompete, e música eletrônica.

Luccas Martins, paulista que mora há quatro anos na capital capixaba, é o responsável pela produção musical. Ele desenvolve a inserção do handpan em grupos de música tradicional, como as do povo Guarani. 

“Nas minhas primeiras visitas à aldeia levei o handpan e  o apresentei ao povo, que logo se interessou. Assim, interagimos, eu com o instrumento e eles com o coral, acompanhados de violão, tambor e maracá”, conta o percussionista.

Duas faixas do álbum com introdução de música eletrônica têm produção do duo Nava, composto por Chico Corrêa e João Meirelles. A captação do coral foi feita dentro da casa de reza da aldeia Tekoá Mirim. O álbum sai pelo selo Lôa Discos. 

“A ideia foi fazer um disco que preserve e registre a ancestralidade do povo Guarani, mas que, ao mesmo tempo, seja potente o suficiente para fazer com que a música dos povos originários ocupe espaços culturais e mercadológicos dos não indígenas”, diz Luccas sobre a inserção de instrumentos de música de concerto e de beats e sintetizadores da música eletrônica. 

“É uma preocupação fazer inclusão que aponte imediatamente para a urgência da reparação histórica também, com o máximo de verdade dos artistas e maior amplitude possível de sonoridade”.

Acapa do álbum teve o conceito desenvolvido pela fotógrafa Giulyanna Cipriano e traz imagens do cotidiano da aldeia e fotos de objetos de artesanato produzidos pelo povo Guarani.

O Coral Kuara’y Retxakã é integrado por Rosiane Martine da Silva, Rosanir Martine da Silva, Suzana da Silva, Rosana da Silva, Marilza da Silva, Rodrigo da Silva e Walter Santos de Azevedo – coral mirim: Yasmin Leonato da Silva, Isabelly Leonato da Silva, Ayla Silva Vaz, Raissa Pereira da Silva e Maria Flora Martine dos Santos.

Participam ainda da iniciativa como músicos Jader Finamore (teclados e trompete), Renato Oliveira Gota (teclados e pífano), Heleno Feitosa (fagote) e Federico Puppi (violoncelos).

O projeto foi contemplado pelo programa Valorização da Diversidade Cultural Capixaba do Fundo de Cultura do Estado do Espírito Santo.

Augusto Diniz

Augusto Diniz
Jornalista há 25 anos, com passagem em diversas editorias. Foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.