Augusto Diniz | Música brasileira

Jornalista há 25 anos, Augusto Diniz foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Augusto Diniz | Música brasileira

Obra discute ‘arte do rodeio’ e afirmação da ‘cultura’ na sociedade do agronegócio

Premiada tese de doutorado aborda o universo que se distancia do estereótipo caipira para uma ressignificação do homem do campo

Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

A Festa do Peão de Barretos, criada em 1956 pela elite pecuarista paulista, tinha o rodeio como legitimação de uma “cultura” típica, menos caipira e mais ligada a valores de uma sociedade do agronegócio em ascensão. O evento cresceu e se tornou um dos modelos de ressignificação do homem do campo.

A ‘Arte do Rodeio’: Peões, Touros e Tropeiros na Sociedade do Agronegócio, de Carlos Eduardo Machado, tese de doutorado defendida na Unicamp que levou o 2º Prêmio Silvio Romero de Monografias sobre Folclore e Cultura Popular do Iphan no fim de 2023, traça um bom panorama sobre as transformações desse universo a partir do evento de Barretos.

Embora o autor enfatize a construção de identidade do peão boiadeiro, a abordagem da construção sociopolítica que se processa para afirmar os diferentes atores desse universo é bem rica, com pesquisas e entrevistas (realizadas pouco antes da pandemia), além da fundamentação teórica.

Vale destacar que, até meados dos anos 1980, as festas de rodeios eram pequenas festividades tradicionais ligadas às populações rurais, como cita a tese. No caso de Barretos, havia ampla diversidade.

O autor mostra no trabalho a programação de 1967 da Festa do Peão, que contava, além do tradicional concurso de montaria e de manifestações típicas rurais, com danças afro-brasileiras, indígenas, gaúchas, dentre outras. E ainda com show de Chico Buarque.

Na festa de 1969, na programação, além das duplas Belomonte & Amaraí e Liu & Leu, estiveram Jair Rodrigues e Originais do Samba.

O padrão mudaria em meados da década de 1980, assumindo um formato ligado à indústria cultural (com gravadoras à época apostando forte nas duplas sertanejas e em programas na TV voltados à temática rural), com predomínio e forte conexão de shows sertanejos com os rodeios – estes se adaptando ao padrão das grandiosas competições nos Estados Unidos.

Naquela época, Barretos criaria seu Parque do Peão e o estádio (inaugurado em 1989) no mesmo local para rodeios e shows. No formato de ferradura, a arena das grandes apresentações foi um projeto arquitetônico feito gratuitamente – a pedido de Os Independentes, organizadores da festa – pelo comunista Oscar Niemeyer (que também projetou o parque).

A tese de doutorado ressalta o forte movimento na última década de reconhecimento oficial das tradições rurais, notadamente as vaquejadas e os rodeios, em um projeto político do agronegócio alicerçado na exaltação de sua “cultura” (as aspas são do autor da tese).

Cita-se que foi no início deste século, com aumento das exportações das commodities agrícolas, que as pautas do agronegócio ganharam ainda mais relevância no Legislativo e no Executivo.

A chamada sociedade do agronegócio montou grandes espaços de lazer, consumo e sociabilidade, hoje altamente consolidados, alicerçados em uma ideia do acontecimento cultural e da afirmação de sua identidade.

Essa premissa tem sido amplamente utilizada nos rodeios, frequentemente questionados devido a possíveis maus tratos aos animais. O trabalho, ressalta-se, não é crítico às festas de peão, mas oferece um relato equilibrado de como a sociedade do agronegócio tem se estabelecido no País.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.