Augusto Diniz | Música brasileira

Jornalista há 25 anos, Augusto Diniz foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Augusto Diniz | Música brasileira

Curta vencedor de mostra do Festival de Gramado reúne folguedo e crenças

Com boas imagens, ‘Cabocolino’ entrelaça a história de um brincante do caboclinho no agreste com a sua religiosidade

Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

Um curta-metragem que traz o bloco do caboclinho, folguedo ligado às tradições indígenas e manifestado no carnaval, e a religiosidade de um brincante tem ganhado destaque em festivais nos quais é exibido, devido às imagens, ao roteiro e à singeleza.

Cabocolino, documentário de 15 minutos, narra a história de Seu João de Cordeira, agricultor aposentado, que ainda dança com desenvoltura em um bloco de caboclinho em João Alfredo (PE), agreste pernambucano.

No filme, o protagonista vai ao monumento de Padre Cícero em Juazeiro do Norte (CE) prestar homenagem ao avô, que foi enterrado lá e conviveu com o sacerdote.

O curta venceu a Mostra de Filmes Universitários da última edição do Festival de Cinema de Gramado e foi destaque em vários outros eventos ligados ao cinema, aqui e no exterior. Seu diretor, João Marcelo Alves, formou-se em Comunicação Social pela UFPE em 2021 e realizou o projeto inicialmente como trabalho de conclusão de curso.

O brincante vestido com adornos indígenas e pequeno arco e flecha, característicos nos blocos de caboclinho, revela no curta a sua conexão com a mais pura tradição dos rincões do País.

Ao se dirigir a Juazeiro para prestar homenagem ao avô plantando sementes de tamboril, árvore típica de Pernambuco, ele dança fantasiado aos pés da imagem de Padre Cícero, numa representação eloquente de sua fé com a cultura popular.

Soma-se a isso o Caboclo de Pena, guia espiritual de Seu João, citado em alguns momentos do filme, carregando ainda mais a simbiose que faz de seus valores e suas crenças com a arte tradicional.

João Marcelo Alves é de Surubim, cidade próxima a João Alfredo, terra do protagonista do filme. Segundo o diretor, o primeiro contato que teve com o brincante foi quando o viu no bloco de caboclinho. Impressionado com suas evoluções durante a dança do folguedo, apesar da idade, resolveu entrevistá-lo. Depois, descobriu também sua religiosidade particular, traduzindo-se em um personagem raro.

O filme prima pela exaltação à simplicidade e ao realismo – por isso é categorizado como documentário. Seu João de Cordeira é um personagem e tanto desse Brasil que costuma jogar luz aos seus filhos mais midiáticos.

O agricultor que carrega no lombo a tradição é a antítese disso, e o mérito do curta-metragem Cabocolino é justamente expor essa característica de forma eficiente e, ao mesmo tempo, sensível.

Segundo o diretor João Marcelo Alves, o documentário ainda participará de outros festivais de cinema antes da exibição aberta ao público. A produção-executiva do filme é de Alexandre Taquari e a edição, de Marlom Meirelles.

Mais informações no site do curta-metragem Cabocolino.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo