A Pedra Negra. Al Hajar al Aswad

¨Uma joia movida do paraíso colocada neste lugar como um pacto ¨(Imam Assadeq)

Peregrinos se preparam para orar em frente à Kaaba, a pedra negra sagrada em Meca

Peregrinos se preparam para orar em frente à Kaaba, a pedra negra sagrada em Meca

Blogs,Diálogos da Fé

Cercada de mistérios , a Hajar al Aswad, ou a pedra negra, que esta localizada a sudeste da kaaba em Meca é um dos pontos principais onde devem chegar os peregrinos que circundam a Kaaba no Haj, (um dos pilares da fé no islam ).

A Kaaba é mais antiga que o islam e não se sabe ao certo sua origem. Ela foi reconstruída várias vezes como um local sagrado .

Situada onde se inicia o Tawaf ou a rotação ao redor da Kaaba quando o peregrino da as 7 voltas ao seu redor, esta pedra negra e oval , segundo narrações do profeta Mohammad, veio do paraíso ou do céu , trazida pelo anjo Gabriel, quando o profeta Ibrahim e seu filho Ismail terminaram de reconstruir a Kaaba .

Quando o peregrino ao Haj termine as voltas, deve parar diante da pedra e beijá-la, ou no mínimo saudá-la caso não consiga chegar perto dela dizendo ¨ bismillah Allah Hu Akbar¨ ( em nome de Allah e Allah é o maior) e também ali diante da pedra, o peregrino testemunha a unicidade de Deus , um dos preceitos mais importantes do islam .

Há também narrativas de que a pedra foi trazida com a expulsão de Adão do paraíso e colocada onde esta e que ficou negra devido aos pecados dos seres humanos.

¨Uma joia movida do paraíso colocada neste lugar como um pacto ¨(Imam Assadeq)

No ano 605 d.C. a Kaaba estava sendo reconstruída novamente pelos membros das tribo de Quraish, pois tempestades a haviam destruído. Durante a reforma, no momento de colocar a Pedra Negra no seu lugar, os membros das tribos disputavam quem teria o privilégio de segurar a pedra. A briga foi tão grande que foi necessário que enviassem o profeta Mohammad para decidir quem seguraria a pedra e ele anunciou que sua decisão era situar a pedra em meio a um tecido estendido metade para cada lado e assim todos podiam segurar uma parte deste tecido e juntos mover e posicionar a pedra .

A Pedra foi alvo de ataques, roubos.

Na época de Yazid ibn Muaiah em 683 d.C. , na disputa política ente ele e Abdullah ibn Zubair, que governava a cidade de Meca naquela época, Yazid atacou a Kaaba e a incendiou com catapultas de fogo e o terrível incêndio fez a pedra se partir em vários pedaços devido ao calor.

Depois deste incêndio, ela foi novamente reconstruída e em 908 d.C.um grupo vindo do Bahrein, atacou a cidade de Meca matou 30 mil pessoas e roubou a pedra negra .

O Rei do Bahrein levou a pedra a um templo e ordenou que as pessoas fossem para lá adorá-la, mas ninguém o obedeceu.

Vinte anos depois houve um acordo para a devolução da pedra, que estava quebrada em 14 fragmentos e foi assim mesmo devolvida a Meca sob o pagamento de 50 mil dinares .

A pedra foi colada e consertada com prata e devolvida a seu lugar.

O Imam Assadeq disse que se um muçulmano entrar na Mesjed Al Haram (Mesquita da Kaaba ) deve caminhar até a pedra negra e dizer: “Louvado seja Deus pelo que me orientou, e jamais seríamos orientados se não fosse por Ele. Não há divindade além de Allah, o único e que não possui sócios. Ele é o dono da majestade, dá vida e tira a vida, e Ele é poderoso sobre todas as coisas”. O Imam Ali, o único ser humano nascido dentro da Kaaba, costumava dizer que no dia do juízo final a Pedra Negra testemunhará por cada um que a visitou .

A pedra não é adorada pelos muçulmanos mas é uma relíquia sagrada que lembra uma aliança da humanidade simbolizada em uma pedra trazida do céu e que, segundo a tradição, remonta aos tempos de Adão e Eva e estabelece um pacto de lembrança do criador e do outro mundo de onde a pedra veio .

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Historiadora pela PUC São Paulo. Professora da rede pública de ensino. Foi professora de história islâmica da Universidade Islâmica do Brasil (UNISB) em 2002. Escreve neste espaço às terças-feiras.

Compartilhar postagem