…

Educação de qualidade é solução para reduzir violência, diz pesquisa

32xSP

[Este é o blog do 32xSP. O site completo você acessa aqui]

Investir em educação de qualidade para jovens de baixa renda é, para 36% dos paulistanos, a medida mais importante para diminuir a violência na cidade. O dado é do levantamento  “Viver em São Paulo”, divulgado em janeiro pela Rede Nossa São Paulo em parceria com o Ibope Inteligência.

Os resultados revelados na pesquisa deste ano são diferentes das conclusões em 2015, quando a maioria (34%) acreditava que o combate à corrupção na polícia e nos presídios era a principal ação para diminuir a violência na cidade. Entre as regiões, o centro (45%) e a zona norte (40%) foram as regiões que apresentaram porcentagens mais altas nessa alternativa.

O professor de História Raimundo Justino da Silva, 37, acredita que é necessária uma participação mais coerente que mobilize as pessoas. “Qual governo tem ou teve um projeto efetivo de melhora da educação no país? Quais comunidades, com seus pais, mães e responsáveis se aproximam da escola de seus filhos no intuito de colaborar para seu sucesso?”, questiona. “Quais agentes públicos, professores, diretores se organizam de fato para isso?”, complementa.

Leia também: Atraso em obras deixa 500 crianças sem creches na Cidade Ademar

Para Justino, que também é mestre em Estudos Culturais pela Each-USP Leste, há uma parcela de políticas que deve partir do poder público para proporcionar educação de qualidade. Mas, salienta, por outro lado, a população interessada na questão também deve estar alinhada com as melhores práticas para exigir bons resultados.

“É óbvio que a responsabilidade institucional é dos governos e ajudaria muito se eles fossem sérios. Mas acho que não dá para a sociedade civil esperar muito, ainda mais no contexto atual do país”, reitera. “A educação de qualidade precisa estar conectada a outros elementos, como a cultura, a comunidade e o território”, finaliza.

Luan-Miguel-Kalil-Saad.jpeg

Luan Miguel Kalil Saad é estudante de publicidade (Arquivo Pessoal)

 “Sem educação eu não teria chegado onde estou. Acredito que sempre precisarei para fomentar os meus desejos de expansão e conquistar outras coisas”, relata o estagiário de publicidade Luan Miguel Kalil Saad, 24, ao definir a importância educacional em sua vida. Opinião que segue na mesma linha da maioria dos paulistanos.

Leia também: Crianças sofrem com a desigualdade social na Vila Maria/Guilherme

Saad teve sua trajetória construída dentro dos muros das escolas públicas do seu bairro, a Vila Maria, na zona norte da capital. Segundo o jovem, o acesso aos estudos foi a chave para alcançar os conhecimentos que possui hoje, além de conseguir fazer escolhas que não seriam possíveis se o percurso tivesse sido outro.

“A educação é importante porque os estudos nos proporcionam conhecimentos e novas maneiras de acessar o mundo e de vê-lo, de forma mais expansiva e com melhores perspectivas”, afirma. “Acho que é essencial ocupar o tempo dos jovens com algo que trará retorno intelectual e cultural, além de uma nova qualidade de vida que o permita fazer escolhas”, completa.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem