Artigo

Walter Malieni Junior, por Luiz Gonzaga Belluzzo

Vice-presidente de negócios de atacado do Banco do Brasil morreu na sexta-feira 7 aos 50 anos

Foto: Banco do Brasil/Divulgação Foto: Banco do Brasil/Divulgação
Foto: Banco do Brasil/Divulgação Foto: Banco do Brasil/Divulgação

É impossível exprimir a dor desatada na morte de um amigo querido, grande companheiro de boas e más jornadas palestrinas.

Seria, no entanto, um gesto de egolatria imperdoável escrever sobre as dores e a saudade, sem esculpir a figura humana de Walter Malieni Júnior.

A humanidade de Malieni não se restringia às gentilezas que distribuía a todos de sua convivência. Seu caráter universal acolhia as funções que ocupou ao longo de sua carreira no Banco do Brasil. Funções que ele sempre exerceu com competência e dignidade.

Competência e dignidade têm um significado muito preciso. Opiniões pessoais jamais contaminaram seus procedimentos e decisões.

No exercício de sua função como executivo do Banco do Brasil, o interesse público sempre prevaleceu perante seus sentimento privados.

Essa rara virtude republicana tornou-se ainda mais rara com a perda do brasileiro Walter Malieni Júnior.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!