Facebook, Instagram e Youtube apagam vídeo de Silas Malafaia

Pastor fez uma publicação afirmando que a quarentena é uma farsa e que a população estava sendo enganada

Foto: Reprodução/Youtube

Foto: Reprodução/Youtube

Política

O pastor Silas Malafaia teve um vídeo apagado de suas redes sociais pelas plataformas Facebook, Instagram e Youtube. Em meio à pandemia do coronavírus, o pastor publicou um vídeo afirmando que a quarentena é uma farsa e que a população estava sendo enganada. A publicação gerou uma forte reação dos usuários do Twitter que pediam a suspensão da fake news.

O Twitter também tirou do ar alguns posts do pastor sobre o tema, mas aparentemente Malafaia os postou novamente, pois ainda é possível ver publicações contra a quarentena em sua conta.

No vídeo, Malafaia mostrava imagens de lojas abertas e pessoas circulando normalmente em duas comunidades. Depois, ele bate palmas paras as pessoas que saem de casa “desmoralizando essa quarentena de araque de governadores e prefeitos”. O pastor dizia ainda que havia “interesses” por trás da quarentena, em especial por parte da imprensa.

Sem citar números ou a fonte da informação, ele afirmou que o isolamento social fez aumentar a audiência das TVs e as assinaturas de jornais.

O Facebook e o Instagram apagaram o post na quinta-feira 2 e o Twitter tirou a publicação do ar nesta sexta. O conteúdo viola as políticas de uso das plataformas.

Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro também teve uma publicação apagada pelas três plataformas. Bolsonaro filmou a ida a comércios em Brasília no último dia 29 de março, o que contraria as recomendações sanitárias no momento da pandemia de coronavírus, de não causar aglomerações.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem