Você está aqui: Página Inicial / Política / "Temer é o homem do Cunha, e não o inverso"

Política

Entrevista - Ciro Gomes

"Temer é o homem do Cunha, e não o inverso"

por Rodrigo Martins publicado 14/12/2015 09h57, última modificação 11/04/2016 17h02
O ex-ministro organiza uma nova rede da legalidade e critica o vice-presidente
Charles Sholl/Futura Press
Ciro-Gomes

"O vice-presidente é um homem do Cunha, e não o inverso. Está completamente comprometido"

Em 1961, o então governador gaúcho Leonel Brizola liderou uma mobilização nacional para assegurar a posse de João Goulart após a renúncia de Jânio Quadros. Com o apoio de uma cadeia de rádios, a Rede da Legalidade adiou o golpe por três anos.

Cinco décadas depois, quem assume um papel central na defesa do Estado de Direito é o presidenciável Ciro Gomes. Coincidência ou não, o ex-ministro filiou-se recentemente ao PDT, partido criado por Brizola. Em companhia de Flávio Dino, governador do Maranhão, Ciro encabeça o movimento Golpe Nunca Mais, que desta vez lança suas bases nas redes sociais.

Na entrevista a seguir, ele volta a acusar o vice-presidente de conspirar contra Dilma Rousseff: “O beneficiário dessa ruptura da democracia e dessa potencial crise para durar 20 anos é ninguém menos do que o senhor Michel Temer, o capitão do golpe”. 

CartaCapital: O senhor acusou Temer de ser o “capitão do golpe” e um “parceiro íntimo” de Cunha. Como chegou a essa conclusão?

Ciro Gomes: Conheço bem os dois, de longa data. Temer conspira há algum tempo, tenho informações a respeito. Lá atrás ele visitou esses grupos que organizam manifestações. Mais recentemente fez uma declaração sintomática, de que um governo com 7% ou 8% de popularidade não se sustenta.

Na ocasião, perguntei onde está escrito na Constituição que um eventual momento de impopularidade era causa para interromper o mandato de um presidente da República. Fui colega deles na Câmara, vi como atuavam.

Basta pesquisar a quantidade de medidas provisórias que o Temer despachou ao Cunha para que ele pudesse incluir o que no jargão parlamentar chamamos de “jabuticabas”, emendas ilegais para gerar privilégios a grupos econômicos dos quais eles tomavam dinheiro. 

CC: Pode citar um exemplo?

CG: Cheguei a denunciar aos berros um desses casos na tribuna: “Temer, feche a Câmara. Para que esse teatro aqui? Pergunta logo o que o Cunha quer e manda fazer”. Naquela ocasião, Cunha havia apresentado uma emenda, dentro de uma medida provisória que não tinha nada a ver com o assunto, para criar um crédito de devolução de IPI de exportação, com um impacto de 80 bilhões de reais nos cofres da União. Protestei, perdi a votação, depois o Lula vetou.

O caso é público, está registrado nos anais da Câmara. Em outro episódio, chamei Cunha de ladrão. Ele me processou e arrolou Temer como testemunha. Na verdade, Temer é o homem do Cunha, e não o inverso. Parte importante das loucuras que faz é por estar completamente comprometido. É só o jornalismo brasileiro fazer uma pergunta simples: “Senhor vice-presidente, qual é a sua opinião sobre as denúncias contra o presidente da Câmara?” Mando cortar meu braço se alguém conseguir extrair uma opinião dele sobre esse tormentoso problema. Sei o que digo, Temer está nas mãos de Cunha.

CC: Como o senhor avalia a carta enviada pelo vice a Dilma?

CG: Tenho 36 anos de vida pública. Nunca vi uma coisa tão ridícula, de tão baixo nível, absolutamente cretina e risível. Aquilo ali é um festival de vaidades e de mágoas explícitas. Você não nomeou fulano, demitiu meu amigo, foi ver não sei quem e não me levou.

E faz parte de um enredo golpista. Surge exatamente na ocasião em que houve o golpe na formação da comissão do impeachment e faz parte da movimentação que destituiu Leonardo Picciani da liderança do PMDB na Câmara, a quem Temer cita nominalmente na carta. Quem vazou o texto para a mídia foi ele. 

Leonel-Brizola
Em 1961, via rádio, o então governador do RS garantiu a posse de João Goulart e adiou o golpe (Reprodução)

CC: Por que o impeachment deve ser tratado como um golpe?

CG: O impeachment não é como o recall, previsto na Constituição de alguns países como remédio para um governo ruim. O Brasil não dispõe desse dispositivo. Vivemos em um regime presidencialista, que não permite a dissolução do Congresso e a convocação de novas eleições.

O impeachment é um julgamento político, mas na sua origem é jurídico. A peça contra Dilma é inepta, pois escora-se nas “pedaladas fiscais”.

Na medida em que o Congresso sancionou a nova meta de superávit, esse argumento se perde. A única possibilidade de se afastar um presidente da República é por crime de responsabilidade doloso, e não há nenhum ato de Dilma que se enquadre nessa situação.

Além disso, se pedalada for motivo, Temer também precisa ser afastado, pois assinou alguns desses decretos. Aliás, praticamente todos os governadores e prefeitos de capitais... Outro absurdo é reavivar o voto secreto na Comissão Especial da Câmara, algo que o Supremo Tribunal Federal certamente vai anular.

CC: O STF vai realmente colocar um freio às manobras de Cunha?

CG: Vai, sem dúvida. Não há a menor chance de uma comissão constituída para avaliar um impeachment ter qualquer votação secreta.

CC: Como o senhor avalia o atual cenário político? 

CG: Muito ruim. O povo acha o governo um desastre, com boa dose de razão. Espera mudança, mas Brasília está mergulhada nessa crônica odienta, golpista, de delegacia de polícia. Para o bem e para o mal, estamos na mão do povo. Se ele sair às ruas pelo impeachment, Dilma está no chão.

Ela é uma mulher decente, bem-intencionada, comprometida com o País. Mas o governo precisa mudar. A gestão da economia é ruinosa. O balé que Dilma faz com chantagistas passa um sinal contraditório do compromisso real dela com a decência.

Durante 12 anos, o povo viu sua vida melhorar, estava seguro de que seria para sempre. Mas agora vê tudo regredir, o salário, as políticas de proteção social, os investimentos de infraestrutura, os serviços públicos. Temos uma epidemia de 1,7 mil casos de microcefalia e vemos o governo entregando 380 bilhões de reais para bancos, mas alega estar sem dinheiro para combater o mosquito que transmite o vírus responsável pela doença.

CC: Vende-se o impeachment como a solução para esses males.

CG: Sim, mas em nenhuma hipótese a solução é um golpe. Não vai resolver nada, além de introduzir um elemento de instabilidade política que pode perdurar por 20 anos.

Corremos o risco de colocar no comando do País alguém sem legitimidade, comprometido medularmente com a corrupção. E isso passa um recado ruim, de que o mandato popular não vale nada. Qualquer ajuntamento de picaretas pode interrompê-lo. 

CC: O senhor sempre defendeu a tese de que o governo precisava se distanciar do PMDB, um aliado não confiável...

CG: Minha tese nunca foi se distanciar do PMDB. Só alertei que não era conveniente entregar ao partido a linha de sucessão da República, bem como os centros estratégicos de interesse nacional. Dentro do presidencialismo brasileiro, é preciso conviver com todo mundo. Falamos de uma sigla com 66 deputados. Pode perfeitamente conversar, negociar, mas deve haver limites. O PMDB que o governo tem hoje é rigorosamente o mesmo PMDB que teria sem ter pago um preço tão alto.

CC: Como construir uma governabilidade mais sadia?

CG: Não vejo problemas, por exemplo, em ter Marcelo Castro como ministro da Saúde. Ele puxa apoio de uma fração importante do PMDB. O mesmo vale para o Eduardo Braga, que é um cara legal. Pode melhorar a relação com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que também ajuda muito. O problema é que Dilma entregou tudo a quem não deveria entregar. Pior: colocou um golpista dentro do Palácio. Isso é muita irresponsabilidade. O governo selou aliança com o lado quadrilha do PMDB. Digo isso porque há muitos homens de bem no partido, como Requião, Jarbas Vasconcelos, Mauro Benevides. Mas o governo não os prestigia. Dilma precisa se cercar de gente leal e profissional.