Você está aqui: Página Inicial / Cultura / O filme do inconsciente

Cultura

Livro

O filme do inconsciente

Obra reúne junguianos brasileiros que analisam filmes a partir do que eles movimentaram psicologicamente no homem ocidental desde a segunda metade do século XX
por Rosane Pavam publicado 29/08/2012 14:28, última modificação 29/08/2012 14:28
Comments

É raro que a crítica compreenda o cinema como uma arte a movimentar a psique. Deste poderoso integrante da indústria da cultura analistas costumam exigir apenas o sucesso formal, a excelência narrativa e a pertinência temática ou histórica, esquecidos de que ele fala diretamente à estranha intimidade do espectador. Para a junguiana e mestre em Educação Dulcinéa da Mata Ribeiro Monteiro, organizadora da coletânea Jung e o Cinema – Psicologia analítica através de filmes, o cinema tem sido “um espaço privilegiado para a maior compreensão de si mesmo”, merecedor, portanto, de uma análise psicanalítica deste porte.

Sua ideia foi a de reunir junguianos brasileiros que analisam os filmes em linguagem clara, a partir do que eles movimentaram psicologicamente no homem ocidental desde a segunda metade do século XX. Os filmes, de Fale com Ela a Truman, o Show da Vida, de O Fantasma da Ópera a Lavoura Arcaica ou Morangos Silvestres, entre outros, possuem alguma qualidade narrativa que os eleva, mas seus personagens não necessariamente são maiores que a vida, modelares. Nem precisariam ser, se nos representam.

Como observa Maria Beatriz Vidigal Barbosa de Almeida, analista de O Abraço Partido, de Daniel Burman, o protagonista Ariel, que se viu abandonado pelo pai, trata de -reconstruí-lo enquanto refaz a si mesmo. “Emoção, euforia, surpresa, medo, raiva, incerteza – por qual emoção decidir? Ariel está sob o impacto da nova informação, que exige uma reestruturação de toda a versão obtida até então sobre a partida de seu pai.” Se  pai de Ariel é “refeito” no filme, isto corresponderia à reformulação emocional da figura paterna na sociedade em tempos recentes. E mais um exemplo retirado deste livro de muitas iluminações está em Julieta dos Espíritos, de Fellini. Segundo Andrea de Alvarenga Lima, a isolada e traída Julieta finalmente relaciona-se com seu inconsciente no final do filme ao deparar com a imagem assustadora da mãe. “Ao confrontar esta mãe negativa, abre-se para Julieta uma porta interna” e ela pode “trazer de volta à vida a criança interior.” Poucas vezes o regresso à infância, ato de que genericamente acusam o cinema, pareceu fazer um sentido bom.

Jung e o cinema - Psicologia analítica através de filmes
Dulcinéia da Mata Ribeiro Monteiro (coordenadora)
Juruá Editora, 202 págs., R$49,90

registrado em:

Comentários

Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

comentários do blog alimentados pelo Disqus
Corrida indefinida

Corrida indefinida

Edição Atual | Anteriores

Revista Digital

Índices Financeiros
Moedas
Dolar Comercial +0.00% R$0,000
Dolar Paralelo +0.00% R$0,000
EURO +0.00% R$0,000
Bolsas
Bovespa +1,03% 56789
Nasdaq +1,03% 12340
Frankfurt +1,03% 38950

Especial Haiti

Diálogos Capitais