Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Midiático / O Datafolha e a fragilidade das instituições

Política

Análise

O Datafolha e a fragilidade das instituições

por José Antonio Lima publicado 21/07/2016 13h05, última modificação 21/07/2016 14h30
A polêmica da última pesquisa revela a debilidade do processo democrático no Brasil
Beto Barata/PR
Michel Temer

Temer: o único resultado positivo a ele foi o destacado pelo jornal

Transcorrem nos últimos dias duas teses a respeito da polêmica a envolver a mais recente pesquisa de opinião do Datafolha. A primeira é que o jornal Folha de S.Paulo, dono do instituto e contratante da pesquisa, deliberadamente fraudou o levantamento de forma a produzir resultados favoráveis ao presidente interino Michel Temer (PMDB). A segunda é que as incongruências na divulgação dos números e na construção das perguntas foram fruto de uma leitura equivocada dos dados.

Desvendar a resposta não é uma tarefa exatamente simples, mas o mais importante é que o caso revela a fragilidade de duas instituições determinantes para o processo democrático: o jornalismo e as pesquisas de opinião.

Em primeiro lugar, é preciso esclarecer os erros da pesquisa. Em abril, quando Dilma Rousseff ainda estava no Palácio do Planalto, o Datafolha foi às ruas e perguntou aos eleitores (em PDF): Caso a presidente Dilma e o vice-presidente Michel Temer sejam cassados ou renunciem aos seus cargos seriam convocadas novas eleições presidenciais. Você é a favor ou contra a realização de nova eleição para presidente da República? 

Naquele momento, 79% dos entrevistados se disseram a favor de novas eleições e o dado foi divulgado com destaque pelo jornal.

Datafolha

No último fim de semana, com Temer no poder, a Folha divulgou nova pesquisa e "informou" que apenas 3% dos eleitores eram favoráveis a novas eleições. Ocorre que a pergunta apresentada em abril e a feita em julho eram completamente diferentes.

Como destacou o site The Intercept, neste mês o Datafolha (orientado pela Folha, contratante da pesquisa) ofereceu um cenário alternativo (em PDF): Na sua opinião, o que seria melhor para o país: que Dilma voltasse à Presidência ou que Michel Temer continuasse no mandato até 2018? 

Datafolha2.jpg

Diante deste questionamento, apenas 3% citaram novas eleições, pois a pergunta não versava sobre isso e o cidadão que desejava responder "novas eleições" precisaria fugir das opções apresentadas pelo entrevistador.

Piorou a situação da Folha e do Datafolha uma revelação do site Tijolaço. Uma pergunta semelhante à feita em abril foi também apresenta em julho, mas os resultados foram omitidos pelo jornal. Finalmente tornados públicos oficialmente na noite de terça-feira 21, os dados mostram que 62% são favoráveis a uma nova eleição.

Folha03.jpg

A Folha justificou as discrepâncias e a não divulgação da pergunta alegando que "é prerrogativa da redação escolher o que acha jornalisticamente mais relevante no momento em que decide publicar a pesquisa" e que os 62% não pareceram "especialmente noticiosos". As respostas chamam a atenção, uma vez que em, em 2 de abril, a Folha publicou editorial intitulado "Nem Dilma nem Temer", no qual defendia novas eleições. Além disso, é preciso questionar: por qual motivo um número supostamente irrelevante foi retirado do relatório do Datafolha?

O caso enseja duas reflexões importantes. A primeira é que o Brasil encontra-se em estágio rudimentar em termos de inserção das pesquisas eleitorais e de opiniões no debate político e social. Esse tipo de levantamento é essencial para uma democracia, mas é fundamental que os números sejam críveis, por todos os envolvidos nos debates políticos e sociais.

Os institutos de pesquisa não escaparam da polarização política. Esta não é a primeira polêmica gerada por levantamentos deste tipo. O Datafolha, por exemplo, pertence a uma empresa jornalística que tem lado em muitas disputas políticas e se recusa a explicitar essa condição, apesar de ela ser evidente em diversas ocasiões.

O resultado inevitável é a suspeição. Em especial se lembrarmos a agilidade do instituto em outras ocasiões comparadas com o momento atual. De imediato, o Datafolha mostrou o impacto eleitoral da morte de Eduardo Campos, em 2014, e divulgou rapidamente as estimativas da quantidade de pessoas em atos pró e contra Dilma Rousseff. No período final do governo petista, quando a popularidade de Dilma teve uma leve alta, e no início do governo Temer, em que o interino estava evidentemente fragilizado, a agilidade do Datafolha esvaneceu.

Uma solução para isso seria o surgimento de ao menos um instituto com capacidade de produzir pesquisas confiáveis para toda a população. Nos Estados Unidos,  as pesquisas de boca de urna nas eleições são conduzidas pelo National Election Pool, criado em 2003 pelos canais de televisão ABC, CBS, CNN, FOX e NBC e pela agência de notícias Associated Press. No Brasil, não há nada parecido, talvez por falta de dinheiro, talvez por falta de interesse.

A segunda reflexão envolve a dicotomia fraude x imprecisão na discussão a respeito da manchete da Folha que cravou que 50% dos brasileiros desejam a permanência de Temer.

Para o leitor, pode parecer uma análise corporativista, mas inúmeros casos apresentados nas redes sociais como manipulações evidentes são, pura e simplesmente, erros. Erros provocados por questões estruturais, como a pressão do fechamento, a falta de pessoal para ampliar uma cobertura, a inexperiência do jornalista ou mesmo a soberba dos mais experimentados de se acharem infalíveis.

No caso específico da Folha, isso pode ser relevante neste debate. O jornal é conhecido pela extrema pressão que exerce sobre os jovens profissionais a respeito de seus erros, mas os caciques da redação não sofrem com o mesmo problema. O fato de a diretoria do jornal negar que tenha errado neste caso é um exemplo disso.

No que diz respeito a pesquisas eleitorais, essa presunção de indefectibilidade é particularmente perniciosa, pois retratar pesquisas é um trabalho sensível, que demanda especialização e equilíbrio, características que muitos jornalistas tarimbados não têm.

Soma-se a isso o clima geral das redações. Em geral, pesa muito mais um erro contra quem o veículo simpatiza do que contra um adversário. Essa é uma das fontes do viés jornalístico no Brasil. A pressão é sutil, difícil de comprovar, mas está clara para quem trabalha numa redação. Como disse uma colega certa vez: "Ninguém fala isso claramente, mas há coisas que você simplesmente não pode escrever". 

Como as pesquisas de opinião, o jornalismo é fundamental para a saúde de uma democracia. Que o jornalismo brasileiro seja tão pouco plural, tão pouco transparente e tão pouco humilde para reconhecer suas falhas é um fato a se lamentar.