Internacional

Síria

EUA dizem não ter dúvida sobre utilização de armas químicas na Síria

por Agência Brasil publicado 27/08/2013 09h18
“Foram utilizadas armas químicas na Síria. É inegável”, afirmou o secretário de Estado John Kerry

Da Agência Lusa

Washington – O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, garantiu na segunda-feira 26 não ter dúvidas sobre a utilização de armas químicas na Síria na semana passada, considerando tratar-se de “uma indecência moral” perante a qual os responsáveis devem responder.

“Foram utilizadas armas químicas na Síria. É inegável”, afirmou Kerry aos jornalistas, em um discurso proferido em Washington.

De acordo com o chefe da diplomacia norte-americana, “a situação a que [o mundo] assistiu na semana passada na Síria choca a consciência mundial. Desafia qualquer código de moralidade. O massacre massivo de civis, a morte de mulheres e crianças inocentes através do recurso das armas químicas é moralmente indecente”.

“O presidente [norte-americano Barack] Obama considera que aqueles que recorreram às armas mais atrozes contra as populações mais vulneráveis do planeta devem responder por isso”, acrescentou Kerry, citado pela agência France Presse.

Segundo o secretário de Estado, “nada é mais grave agora e nada é mais escrutinado que a utilização de armas químicas”.

À semelhança de declarações proferidas por outros membros do governo norte-americano no fim de semana passado, também Kerry acusou o regime sírio de ter oferecido aos investigadores das Nações Unidas um acesso “muito tardio” à zona atingida pelo ataque de 21 de agosto e de ter “bombardeado” e “destruído sistematicamente as provas” no terreno.

“Este não é o comportamento de um governo que nada tem a esconder”, sublinhou o diplomata.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), organização não governamental com sede em Londres, pelo menos 322 pessoas morreram na quarta-feira, mas a oposição coloca o número em 1.300 vítimas.

O regime sírio negou responsabilidades no ataque.

registrado em: John Kerry, Síria, armas químicas