Opinião

A recessão passou, mas o Brasil do bem-estar social ficou para trás

por Renato Mateus Rocha Santos — publicado 17/05/2017 16h38, última modificação 17/05/2017 16h39
Temer nada mais é que o agente responsável por colocar o Brasil no eixo da desigualdade social
Evaristo Sá/AFP


Espaço aberto para quem apoia o jornalismo transparente e crítico de CartaCapital.

Entenda as regras de envio de artigos em socio.cartacapital.com.br/duvidas

 

O presidente Temer anuncia aos brasileiros através das telas manipuladoras da grande imprensa, que o Brasil já está em ritmo de crescimento, no próximo ano (ano de eleições presidenciais, se não houver um novo golpe) será ainda melhor a recuperação da economia. Este governo ilegítimo e ilegal de Michel Temer é sem sombras de dúvidas, o marco do retrocesso nas políticas sociais, representa, portanto o fim do Estado de bem-estar social que fora implantado pelos governos do PT, diga-se, Lula e Dilma.

A lógica capitalista é severa, pois não existe capitalismo sem concentração de renda e acúmulo de capital, ora é explorando os trabalhadores através de salários desvalorizados, com carência de leis protetivas, explorando a força de trabalho até os últimos anos da velhice, que o capitalismo concentra riquezas sob a exploração do pobre trabalhador.

Michel Temer, nada mais é que, o agente responsável por colocar o Brasil no eixo da desigualdade social, pois essa desigualdade é a fonte do regime neoliberal, é a razão da ordem mundial capitalista. Os governos do PT implantaram mais que um Estado de bem-estar social, Lula e Dilma ameaçaram a estabilização das grandes organizações financeira internacionais, isso se deu através do contraponto feito com o fortalecimento do MERCOSUL e a criação do BRICS (bloco econômico formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

A ameaça se voltou para um velho dilema presente na economia, quando todos os cidadãos têm sua renda valorizada e o poder de compra elevado, eis que a famosa planificação da economia assusta os detentores das maiores fortunas do mundo capitalista. O governo Temer vem anunciando aos brasileiros que o país está vivendo apenas os resultados de uma crise que ficou para trás. Mas, a grande verdade é que o Brasil do desenvolvimento social foi golpeado e, o que surge logo após esse golpe é um país pequeno para os milhões de brasileiros.

 Hoje, o Brasil grande pertence apenas aos senhores latifundiários, grandes empresários, banqueiros e rentistas do mercado financeiro que veem suas riquezas aumentarem em níveis astronômicos, mas tudo isso graças às ações de um governo que massacra milhões de cidadãos com a retirada dos direitos sociais. Portanto, não ficou para trás somente uma crise econômica, mas, sim, um Brasil prospero, um país que alavancava o maior crescimento social de sua história.

*Renato Mateus Rocha Santos é professor de sociologia e editor do blog Vox Civis e sócio desde 2014