Você está aqui: Página Inicial / Tecnologia / Quase metade dos lares brasileiros já tem computador

Tecnologia

Pesquisa TIC Domicílios

Quase metade dos lares brasileiros já tem computador

por Gabriel Bonis publicado 31/05/2012 15h44, última modificação 31/05/2012 15h57
Estudo mostra que 38% da população usa a internet com alguma frequência; Conexão em banda larga já é maioria entre usuários
internet

Foto: Photosteve101/Flickr

Os computadores seguem ganhando espaço nos lares dos brasileiros. Em 2011, 45% dos domicílios do País possuíam o equipamento, contra 35% do ano anterior. Com isso, o acesso à internet – seja em domicílio ou outros meios, como lan houses –, tambéu aumentou e atingiu 38% da população no mesmo período, um aumento de 11 pontos percentuais  sobre o nível de 2010, embora esteja muito abaixo da média de 73% da União Europeia. É o que aponta a pesquisa da TIC Domicilios, do Comitê Gestor da Internet no Brasil, produzida pelo Núcleo de Informação e Coordenação do ponto BR (NIC.br), divulgada na manhã desta quinta-feira 31.

Segundo o estudo, que entrevistou 25 mil domicílios em 317 cidades do País, apesar de o acesso à internet ainda ser baixo, a conexão de banda larga - com velocidade base considerada de 256k - é maioria entre os usuários. As conexões rápidas estão em 68% das lares com acesso à rede, sendo 18% em banda larga móvel, que pela primeira vez ultrapassou o acesso discado, hoje em 10% do total. “A conexação discada passa a fazer parte de uma estatística que vai morrer”, afirma diz Alexandre Barbosa, gerente do Centro de Estudos sobre Tecnologias de Informação e Comunicação (CETIC.br).

Mesmo em um cenário com 4,6 milhões de domicílios com computador, mas sem acesso à internet, as lan houses perdem espaço. Em 2007 elas representavam 49% do acesso da população, contra os atuais 28%. No mesmo período, o acesso em domicílio subiu de 40% para 69% no mesmo período na área urbana. “Essa queda é irreversível, mas as classes D e E ainda fazem uso preponderante destes locais”, destaca Barbosa. Dados do levantamento mostra que 60% dos internautas destas classes acessam a internet apenas pelas lan houses. Mas há ainda os telecentros, locais com acesso público gratuito, que representam 6% dos usuários, um total de 4,4 milhões de pessoas. “[A iniciativa] não decola, mas tem um peso importante porque leva internet a um grande número de pessoas que não teriam acesso nenhum”, destaca Juliano Cappi, coordenador de pesquisas da CETIC.br.

Um dos motivos que barram a propagação da internet nos domicílios é o preço do serviço de banda larga.  O estudo mostra que 22% dos lares com acesso à rede pagam até 40 reais por mês pelo serviço. O que vai contra om plano do governo federal de disponibilizar internet de 1 mega de velocidade por 30 reais ao mês. “O discurso do governo para esse patamar é importante, mas temos um longo caminho”, diz Cappi.

Internet mais usada para pesquisar preços

O número de usuários que realizam compras na internet ainda é baixo no País, mas registrou um avanço de 10 pontos percentuais em 2011, passando para 29%. Enquanto isso, a internet parece ter se consolidado como um sistema de buscas pelo menor preço: 59% dos usuários afirmaram usar a ferramenta para este tipo de pesquisa, contra 50% do ano anterior. “Hoje é difícil alguém não pesquisar os preços nas internet antes das compras”, ressalta Barbosa.

O estudo evidencia que as compras são mais frequentes de acordo com a renda do domicílio. Entre os usuários a partir de cinco salários mínimos, metade fez compras online nos últimos 12 meses. Por outro lado, apenas 9% dos entrevistados com até um salário mínimo realizaram esse tipo de transação. E o principal motivo não é a segurança. Há uma relação com a cultura e com o fato de 70% dos pagamentos serem feitos com cartão de crédito. “Isso é um problema em algumas regiões, porque o cidadão precisa ter uma conta no banco e um cartão”, diz Barbosa.

Norte e Nordeste têm menor penetração de internet

A pesquisa mostra uma grande divisão da penetração de acesso à internet no País entre Norte e Nordeste e Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Enquanto o sudeste possui 49% de domicílios com acesso à rede, o sul 45% e o centro-oeste 39%, Norte e Nordeste têm 22% e 21% respectivamente. Mas outro dado também chama atenção: 96% dos lares de classe A e 76% da classe B possuem internet. Por outro lado, apenas 35% dos domicílios da classe C e 5% das classes DE têm acesso ao serviço.

Além disso, a distância entre a posse de acesso à internet na região urbana e a rural aumentou. Em 2010, o espaço era de 25 pontos percentuais e, no último ano, aumentou para 33%, com a região urbana com 43% da posse de internet e 10% na zona rural. “É um problema que o governo federal discute como eliminar, porque se nada for feito há uma tendência de aumentar a infraestrutura nos mercados mais atrativos, que têm mais provedores, e diminuir em outras”, aponta Cappi.

“O uso [da internet] cresce, entretanto as desigualdades não estão se alterando. Se os nossos planejamentos não começarem a prever que essas desigualdades terminem, vamos chegar aos 50% da população e o crescimento vai travar, porque atender o restante dos alijados vai ser difícil”, completa.

registrado em: ,