Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / ONG lança campanha contra 'genocídio' de tribo

Sociedade

Maranhão

ONG lança campanha contra 'genocídio' de tribo

por Marcelo Pellegrini — publicado 25/04/2012 11h12, última modificação 06/06/2015 18h22
Em vídeo, ator britânico Colin Firth faz apelo ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo
Awá

Exploração madeireira ilegal poderia destruir os Awá, que são a tribo mais ameaçada do mundo. © Survival

A ONG Internacional de direitos indígenas Survival International lançou nesta quarta-feira 25 um curta-metragem, com a participação do ator britânico Colin Firth (vencedor do Oscar por O Discurso do Rei), com o objetivo de mobilizar forças em todo o mundo para que o governo brasileiro evite a extinção da tribo Awá, considerada mais ameaçada do mundo. Os Awá vivem no norte do Maranhão.

Na campanha, Colin Firth ataca o que a ONG considera ser o descaso do governo brasileiro com a questão. "Um homem tem o poder para parar os madeireiros: o ministro da Justiça do Brasil. Mas não é a prioridade dele. Vamos mudar isso", diz Firth em mensagem direta para o ministro José Eduardo Cardozo.

Em seu apelo, Firth diz que ‘a floresta dos Awá está sendo cortada ilegalmente pela exploração de madeira. Quando os madeireiros os encontram, eles os matam. Seus arcos e flechas não são páreo para as armas. E em qualquer outro momento na história, isso seria o fim. Mais um povo extinto da face da terra, para sempre. Mas vamos assegurar que o mundo não deixará isso acontecer...’

Conforme publicado por CartaCapital () a tribo Awá, situada na porção leste da Amazônia, vive, segundo a Survival International, "uma verdadeira situação de genocídio". Segundo a ONG, isso se deve ao avanço de madeireiros e pecuaristas sobre a reserva legal da tribo. Imagens de satélite revelam que mais de 30% da floresta, em um dos quatro territórios habitados pelos Awá, já foi destruída.

De acordo com a Fundação Nacional do Índio (Funai), o órgão já possui um posto de vigilância em uma das quatros aldeias Awá e mantém ações nas outras aldeias isoladas para conseguir implementar futuros postos. “Ainda estamos na fase de levantamento das problemáticas nas quatro aldeias e fazendo contato com as tribos. Depois disso, pretendemos implantar postos nessas aldeias para garantir a proteção territorial e os direitos indígenas”, diz o Coordenador-geral de Índios Isolados e Recente Contato da Funai, Carlos Travassos. “Apostamos que a Frente consiga dar uma resposta eficiente aos problemas da região”, completa.

No site da campanha é possível, além de assistir ao curta-metragem, fazer doações para a campanha e escrever uma mensagem para o ministro da Justiça.

registrado em: