Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / 'Nunca vi algo tão desumano', conta perito ao lembrar massacre

Sociedade

Memória

'Nunca vi algo tão desumano', conta perito ao lembrar massacre

por Agência Brasil publicado 01/10/2012 11h58, última modificação 01/10/2012 12h07
Negrini Neto foi o autor do principal laudo sobre a morte dos presos no Carandiru

Elaine Patricia Cruz
Repórter da Agência Brasil

 

São Paulo – Naquele 2 de outubro de 1992, uma sexta-feira, quando foi chamado para fazer a perícia no Pavilhão 9, na Casa de Detenção de São Paulo, mais conhecida como Carandiru, o perito Osvaldo Negrini Neto achou que se tratava de um evento de resistência seguida de morte, ou seja, que os detentos haviam morrido em decorrência de confronto com a Polícia Militar, mas logo mudou de ideia.

“Depois percebi que foi um massacre seguido de muitas mortes”, disse o ex-perito, em entrevista à Agência Brasil. Na época, contou, era perito de uma seção especial do Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo que analisava exatamente os casos de resistência seguida de morte. Após o episódio, chegou a sofrer ameaças.

O que o levou a classificar o episódio como um massacre estava, segundo ele, “escrito nas paredes” do Pavilhão 9. “Todas as celas que eu examinei tinham muito poucos tiros nos corredores. No corredor, eu contava dois ou três buracos de balas. Mais de 90% dos tiros estavam dentro das celas. E sempre da porta para o fundo, ou seja, impossível que tenha sido algum tiro dado pelos presos em direção aos policiais militares. E, realmente, não tinha nenhum policial ferido por balas.”

Negrini Neto foi o autor do principal laudo sobre a morte dos presos no Carandiru. Aposentado desde 2010, ele conversou com a Agência Brasil por telefone.

“Colhi material das paredes e vi que, em muitos casos, não era bala de revólver, mas de metralhadora. Os tiros seguiam uma sequência quase na mesma linha. Uma pistola e um revólver não fazem isso. Colhi material daquilo para saber se tinha cobre presente no buraco, porque o cobre caracteriza que a bala é encamisada, ou enjaquetada [revestida com metal, a exemplo de cobre, para  aumentar a penetração no alvo], como a de metralhadora.”

O perito descreve a situação de um dos andares mais atingidos: “No terceiro, a coisa estava bárbara. Na primeira cela em que entrei, tinha mais de 20 buracos de bala. Na outra, 15, na outra, dez. Fui contando e havia mais de 450 buracos de bala na parede. Em alguns, tinha [marca] no chão como se tivesse matado gente que estivesse sentada ou ajoelhada”, descreveu.

Negrini Neto só conseguiu entrar na Casa de Detenção por volta das 21h30 daquele dia. “Tive que entrar escondido, junto com meu fotógrafo, na viatura do delegado, abaixados no banco de trás, porque a Polícia Militar tinha dado ordem de que não queria perícia lá dentro”, relatou.

Quando finalmente chegaram ao Pavilhão 9, o prédio encontrava-se interditado. “Tinha havido um incêndio no térreo”, contou. Ele pediu então ao oficial que estava tomando conta do local para poder entrar no pavilhão e fazer as fotos e um relato sobre o que ocorreu. “Depois de muito relutar, ele permitiu que entrássemos no pátio ou térreo. Ali tinha barbearia, lavanderia, cozinha, dependências de convivência entre os presos e a parte de administração do Pavilhão 9, onde estavam todos os arquivos dos presos dali”. Como houve o incêndio, a energia elétrica foi cortada e o trabalho precisou ser feito todo com lanternas, até que a polícia fornecesse alguns holofotes.

No local, os policiais lhe contaram que uma TV explodiu perto de onde se encontrava o então comandante da Polícia Militar, o coronel Ubiratan Guimarães, que precisou deixar o local para ser atendido.

“Fiz [registro de] toda essa parte de baixo, analisei o incêndio, e vi, pela escada do canto que subia para o primeiro pavimento, uma gosma escura descendo que parecia óleo queimado. Uma cachoeirinha. Achei meio intrigante aquele fenômeno ali e fui mais perto para olhar. Como já tinha bastante experiência nisso, vi que era sangue misturado com uma série de outras sujidades”, contou.

Com a ajuda dos holofotes, ele subiu então para o primeiro pavimento. “Quando cheguei à borda do primeiro pavimento, vi uma cena dantesca, algo que nunca tinha visto na minha vida. Um monte de cadáveres empilhados, um por cima do outro, todos completamente destroçados, com buracos de balas aos montes”, disse.

Foi então que ele começou a contar os cadáveres que estavam empilhados. “Só havia um espaço para pisar no Pavilhão 9, entre a parede e a primeira pilha de cadáveres, e que não chegava a 40 centímetros. Fomos indo por aquela borda, até onde os holofotes conseguiram chegar, e eu pude contar 90 cadáveres. Contei errado naquele dia. Na realidade, eram 89”, falou.

Depois disso, teve início o trabalho de retirada dos corpos. “Para isso, eles precisaram encostar quatro ou cinco caminhões-baú do presídio e os próprios presos foram obrigados a pegar os cadáveres, um por um, no primeiro pavimento, e trazer, de dois em dois, para botar no caminhão. Aí, vi que todos os presos estavam completamente nus”, descreveu.

Segundo o ex-perito, os sobreviventes do Pavilhão 9, que eram mais de 1,8 mil na época, estavam todos sentados no pátio, nus, ajoelhados, cercados por policiais. “Nunca vi algo tão desumano na minha vida”, disse o perito. Os corpos precisaram ser levados para vários institutos médico-legais de São Paulo e da região metropolitana.

No sábado, começaram os telefonemas à sua casa, com ameaças. “Na época, felizmente não tinha celular. Eles diziam: ‘Olha, vê lá o que você vai escrever’. Foram [telefonemas] de colegas, delegados, mas ninguém sabia ainda exatamente o que tinha acontecido na Casa de Detenção, sabiam que tinha morrido muita gente, mas ninguém sabia quantos tinham morrido”, lembrou. As ameaças, segundo ele, terminaram quando o laudo foi finalmente divulgado, nos primeiros dias de novembro daquele mesmo ano.

“No domingo [logo após o massacre], seria dia de eleição [municipal] e havia uma necessidade enorme de não se divulgar nada, pelo menos até lá. E, de fato, só foi divulgado que o número de mortos era maior que 90 no final da tarde, quando se fecharam as eleições”, disse ele.

 

*Matéria originalmente publicada na Agência Brasil