Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Negros são maioria da classe média ascendente

Sociedade

Data Popular

Negros são maioria da classe média ascendente

por Redação Carta Capital — publicado 12/11/2012 17h06, última modificação 12/11/2012 17h06
Ainda segundo o instututo, a juventude brasileira vai movimentar a maior parte da renda ddeste grupo em 2022
classe média

Em 1998, as classes de renda A, B e C somavam 53% da população brasileira. Hoje, somam 84%. Foto: Agência Brasil

A classe média já corresponde a 52% da população brasileira. São 104 milhões de pessoas – o equivalente ao total de indivíduos que vivem Alemanha – que, juntas, terão movimentado, até o fim de 2012, cerca de 665 bilhões de reais, uma renda superior ao PIB de países como a Suíça ou Portugal.

E dentro deste cenário, são os negros os principais protagonistas. De acordo com uma pesquisa divulgada na segunda-feira 12 pelo Instituto Data Popular, na última década, 75% dos que ascenderam socialmente a esta classe são negras. As mulheres também tiveram uma importância significativa nesse novo paradigma social. Nos últimos dez anos, a massa de renda delas cresceu 60% a mais do que a dos homens. Dos 737 bilhões de reais arrecadados pelo sexo feminino, 262 bilhões vieram das brasileiras que fazem parte da classe média.

Mas é a juventude que deve consolidar todas essas mudanças. Segundo o estudo, existem hoje no Brasil 42 milhões de jovens entre 18 e 30 anos, sendo que 55% deles se encontram na classe média. São pessoas que ajudam mais com as despesas da casa do que indivíduos da mesma faixa etária e que são da elite, por exemplo.

A pesquisa também mostra que é justamente essa nova geração que vai movimentar a maior parte da renda dessa classe em 2022. De acordo com o instituto, esse grupo também será mais escolarizado e com mais empregos que oferecem maior perspectiva de carreira do que a geração anterior.

Mais escolarizado, eles têm acesso a ocupações que exigem maior qualificação e, consequentemente, oferecem melhores salários. 82% dos jovens da classe média acreditam que a principal função da faculdade é melhorar o currículo. E eles também estão mais conectados (46% não conseguem imaginar a vida sem internet) e bem-informados (78% declaram que têm pleno conhecimento das notícias atuais).

Valores

A classe média acredita no voto como ferramenta de poder em relação ao Estado. 67% concordam que o voto pode melhorar a política brasileira. Apesar disso, mais da metade da classe média afirma que preferiria uma ditadura competente a uma democracia incompetente.

A percepção sobre “felicidade” de todas as gerações da classe média tem como fator condicionante a constituição de uma família. Também para os dois grupos, autonomia e realização pessoal são valores envolvidos no desejo de abrir um negócio: 56% da nova geração afirma que é “sempre melhor ter o próprio negócio do que trabalhar para os outros”.

As opiniões sobre aborto e pena de morte também não tendem a mudar se não houver mudança na legislação ou pauta na agenda pública. 83% dos jovens acreditam que “ninguém além de Deus tem o direito de tirar a vida de uma pessoa”. Contudo, mais da metade daqueles que participaram é a favor da pena de morte.

Mas a nova geração tende a ser mais tolerante para assuntos que já são pauta de legislação ou de políticas públicas. Metade dos jovens acredita que casais do mesmo sexo devem ter mesmos direitos de casais heterossexuais, enquanto apenas 26% da geração anterior compartilha dessa opinião. A homossexualidade tende a diminuir seu status de tabu dentro da família. 52% afirma que aceitaria tranquilamente ter um filho gay. Apenas 33% do grupo anterior concorda com isso.

Tendências para a próxima década

A pesquisa do Data Popular concluiu que, para 2022, a internet e o celular tendem a ser cada vez mais utilizados para a realização de compras, denúncia das relações de consumo e dos serviços do Estado. Outra tendência é a de que esses jovens saibam poupar mais, influenciados pelo passado de dificuldades financeiras vivido pelos pais.

Os protagonistas de 2022 também tendem a consolidar mudanças no papel do casal dentro do lar. Cada vez mais será esperado que o homem seja mais participativo nas tarefas domésticas e presente nas relações familiares do que no passado. Ainda, será uma geração que valorizará ainda mais a conquista pelo esforço próprio, a meritocracia e o empreendedorismo. O Estado, por sua vez, será cada vez mais visto como regulador do setor privado e o novo cidadão consumidor exigirá cada vez mais e com menos impostos.

Seis em cada dez brasileiros da classe média acreditam que a vida melhorou nos últimos anos. E 81% apostam que em 2013 essa tendência deve continuar.