Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Menos de 40% dos empregados domésticos no Brasil tem registro

Sociedade

Carteira assinada

Menos de 40% dos empregados domésticos no Brasil tem registro

por Agência Brasil publicado 19/07/2012 18h22, última modificação 06/06/2015 18h28
Na informalidade, trabalhadores do setor não têm acesso a benefícios e à Previdência Social
trabalho

Foto: Marcello Casal Jr/ABr

Por Carolina Sarres*

Brasília – A porcentagem de empregados domésticos com registro em carteira de trabalho não chega a 40% em nenhum dos estados brasileiros, segundo o relatório Perfil do Trabalho Decente no Brasil: um Olhar sobre as Unidades da Federação, divulgado nesta quinta-feira 19 pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). O documento, no entanto, destaca avanços na formalização dos trabalhadores do País – que chegou a 53,6% entre 2003 e 2010. Mas o acesso à proteção social, a benefícios e à Previdência não atingiu os trabalhadores domésticos (empregadas, diaristas, jardineiros, motoristas, entre outras funções).

São Paulo é o estado onde há o maior índice de formalização, com 38,9% dos trabalhadores domésticos com carteira assinada, seguido por Santa Catarina (37,6%) e Distrito Federal (37%). No Amazonas, no Ceará e no Piauí, o índice de formalização não atinge 10% dos empregados domésticos – 8,5%, 9,3% e 9,7%, respectivamente.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), usados pela OIT no estudo, há 6,9 milhões de trabalhadores domésticos entre 16 e 64 anos no Brasil. Cerca de 93% deles são mulheres, o que corresponde a 6,4 milhões de pessoas. Desse total, 61,9% são negras.

José Roberto da Silva, 40 anos, trabalha há 25 anos e não teve carteira assinada por 15 anos. Segundo ele, sua formalização foi feita por meio do incentivo dos patrões. “Trabalhar dentro do que a lei garante traz mais conforto, segurança e a garantia de um trabalho mais digno, com aposentadoria. Todos os trabalhadores deveriam buscar emprego com carteira assinada”, disse.

De acordo com a diretora da OIT no Brasil, Laís Abramo, constata-se que os trabalhadores domésticos não têm os mesmos direitos que o conjunto dos outros funcionários assalariados do país. “Houve aumento de formalização entre esses empregados, mas em ritmo inferior ao restante do mercado de trabalho”, informou.

Desde 2010, tramita no Congresso a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 478/10, a PEC das Domésticas, que tem o objetivo de reduzir a informalidade no setor e ampliar o direito dessas trabalhadoras. De acordo com a proposta, os empregados deverão ter direito ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), limitação de jornada de trabalho, recebimento de hora extra e adicional noturno, férias, décimo terceiro salário, entre outros benefícios.

A PEC ainda não foi aprovada porque não houve definição quanto ao número de dias de trabalho que caracterizarão o vínculo empregatício, o que atinge especialmente os empregados diaristas.

*Publicado originalmente em Agência Brasil.

registrado em: , ,